Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.371,21
    +172,37 (+0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Pedidos de demissão no Brasil batem recorde em março, diz levantamento

Levantamento mostra que pedidos de demissão no Brasil bateram recorde em março. (José Lucena/Futura Press)
Levantamento mostra que pedidos de demissão no Brasil bateram recorde em março. (José Lucena/Futura Press)
  • Pedidos de demissão bateram recorde no país em março, com 603.136 desligamentos voluntários;

  • Os números foram apurados pela LCA Consultores levando em conta dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged);

  • Responsável pela pesquisa afirma que os números representam um movimento natural do mercado de trabalho.

Projeções para o mercado de trabalho no Brasil em 2022 apontam que a taxa de desemprego no país deve ficar entre as maiores do mundo. A informação é de um levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating, desenvolvido em cima das novas projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a economia mundial.

Em meio a esse cenário alarmante, uma situação curiosa se desenrola. Pedidos de demissão bateram recorde no país em março. Das 1.816.882 demissões registradas no mês, 603.136 foram desligamentos voluntários, representando 33,2% do total.

Leia também:

Os números foram apurados pela LCA Consultores, levando em conta dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que conta as vagas de carteira assinada.

Março representou o maior número de pedidos de demissão em um único mês desde janeiro de 2020, quando se iniciou a série histórica do Caged com a metodologia atual de contabilidade de vagas.

Em fevereiro deste ano, que já representava um número recorde até então, somaram-se 560.272 demissões voluntárias, do total de 1.684.636 desligamentos, equivalendo também a 33,2% do total.

Para Bruno Imaizumi, que comandou o levantamento, os números representam um movimento de continuidade de normalização do mercado.

Segundo ele, no começo da pandemia, muitas pessoas aceitaram empregos em setores que não tinham afinidade.

Desse modo, agora, no pós-pandemia, essa parcela começa a procurar funções condizentes com suas qualificações.

Outro aspecto que teria influenciado nas demissões voluntárias foi o impacto do home office. Com a volta do presencial, muitos funcionários perceberam que a modalidade não seria benéfica para uma qualidade de vida, optando, portanto, por uma maior flexibilidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos