Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.317,08
    -90,15 (-0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA subiram na semana passada

(Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego subiu na semana passada, mas permanece em uma faixa que indica que o mercado de trabalho dos Estados Unidos continua apertado, mesmo com o Federal Reserve trabalhando para esfriar a demanda por mão de obra como parte de sua tentativa de reduzir a inflação.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 9.000 em relação à semana anterior, para 225.000 com ajuste sazonal na semana encerrada em 24 de dezembro, informou o Departamento do Trabalho na quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam 225.000 reivindicações.

Os números dos pedidos têm sido instáveis nas últimas semanas, mas se mantiveram bem abaixo do limite de 270.000 que os economistas veem como uma bandeira vermelha para o mercado de trabalho. Uma série de demissões no setor de tecnologia e em setores sensíveis às taxas de juros, como a habitação, ainda não deixaram uma marca notável nas reivindicações, já que os trabalhadores demitidos parecem mudar para novos empregos com relativa facilidade.

A resiliência do mercado de trabalho é um foco central para os formuladores de políticas do Fed, conforme a economia dos EUA criou uma média de 392.000 novos empregos por mês este ano, apesar dos rápidos aumentos das taxas e dos crescentes temores de uma recessão no próximo ano.

(Por Dan Burns)