Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,34
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.943,39
    +1.858,14 (+5,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    840,27
    +53,66 (+6,82%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.357,25
    +94,25 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8557
    -0,0728 (-1,23%)
     

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem mais que o esperado

·2 minuto de leitura
Placa anunciado contratação em restaurante de Miami, EUA

WASHINGTON (Reuters) - Menos norte-americanos entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego na semana passada conforme a recuperação do mercado de trabalho ganha força em meio ao salto econômico nos Estados Unidos, que está sendo alimentado pela rápida melhora da situação sanitária e forte assistência financeira do governo.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 498 mil em dados ajustados sazonalmente para a semana encerrada em 1 de maio em comparação com 590 mil na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Esse foi o nível mais baixo desde meados de março de 2020, quando fechamentos obrigatórios de negócios não essenciais foram adotados para conter a primeira onda de infecções por Covid-19.

Economistas consultados pela Reuters projetavam 540 mil novos pedidos na última semana.

O governo forneceu quase 6 trilhões de dólares em ajuda pela pandemia ao longo do último ano. Norte-americanos com mais de 16 anos podem agora receber a vacina contra a Covid-19, levando Estados como Nova York, New Jersey e Connecticut a levantar a maioria de suas restrições de capacidade às empresas.

Relatórios na quarta-feira mostraram que os empregadores privados contrataram o maior número de trabalhadores em sete meses em abril, enquanto uma medida dos empregos no setor de serviços atingiu máxima em mais de dois anos e meio.

De acordo com pesquisa da Reuters, o relatório de emprego nos EUA a ser divulgado na sexta-feira deve mostrar criação de 978 mil vagas no mês passado, depois de 916 mil em março. Isso deixaria o emprego cerca de 7,4 milhões abaixo do pico de fevereiro de 2020.

"A boa notícia é que os empregadores não estão mais fazendo grandes cortes, os consumidores estão começando a se sentir seguros para viajar e gastar, e o número de abertura de vagas está aumentando", disse Andrew Challenger, vice-presidente sênior do Challenger, Gray & Christmas.

"A má notícia é que estamos passando por uma escassez de trabalho apesar dos milhões de norte-americanos ainda sem emprego."

Os pedidos de auxílio-desemprego caíram ante o recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020. Eles estão, entretanto, bem acima da faixa de 200 mil a 250 mil considerada consistente com um mercado de trabalho saudável.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos