Mercado abrirá em 9 h 6 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,92
    +0,94 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.759,20
    +7,50 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    44.006,91
    +1.760,60 (+4,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.096,01
    -7,05 (-0,64%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.338,85
    +146,69 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    30.321,96
    +73,15 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    15.373,50
    +54,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2569
    +0,0013 (+0,02%)
     

Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA têm queda

·2 minuto de leitura
Aviso de contratação do In-N-Out Burger em Encinitas, Califórnia, EUA

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu na semana passada, sugerindo que o mercado de trabalho está avançando mesmo com o aumento de novas infecções por Covid-19.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 14 mil, para um número com ajuste sazonal de 340 mil na semana encerrada em 28 de agosto, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Esse foi o patamar mais baixo desde meados de março de 2020, quando os negócios não essenciais foram fechados para desacelerar a primeira onda de casos de coronavírus.

Economistas consultados pela Reuters previam 345 mil novos pedidos para a última semana.

Os registros já caíram ante um recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020, mas permanecem acima da faixa de 200 mil a 250 mil que é vista como consistente com condições saudáveis do mercado de trabalho.

A última onda de infecções por Covid-19, impulsionada pela variante Delta, e uma escassez implacável de trabalhadores deixavam alguns economistas antecipando forte desaceleração no crescimento do emprego no relatório de criação de vagas de agosto do governo, que será divulgado na sexta-feira.

Os indicadores do mercado de trabalho no mês passado foram mistos. Um indicador de emprego nas fábricas do Instituto de Gestão do Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) contraiu em agosto e caiu para seu nível mais baixo desde novembro.

O Relatório Nacional de Emprego da ADP mostrou na quarta-feira criação de apenas 374 mil empregos no setor privado em agosto. O relatório, no entanto, tem um histórico ruim de previsão da criação de vagas no setor privado no relatório de emprego do Departamento do Trabalho, que é mais abrangente e observado de perto.

De acordo com pesquisa da Reuters com economistas, a criação de empregos fora do setor agrícola foi de provavelmente 750 mil postos de trabalho no mês passado, após abertura de 943 mil vagas em julho.

"Esperamos que o relatório de empregos mostre que a economia continuou criando empregos em um ritmo rápido em agosto, desafiando os surtos da variante Delta da Covid-19 em todo o país", disse Julia Pollak, economista-chefe da ZipRecruiter.

(Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos