Mercado fechará em 6 mins
  • BOVESPA

    100.948,41
    +408,58 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.790,43
    +588,62 (+1,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,08
    -1,62 (-3,88%)
     
  • OURO

    1.928,10
    +12,70 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    12.761,64
    +1.704,63 (+15,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,85
    +10,96 (+4,48%)
     
  • S&P500

    3.456,15
    +13,03 (+0,38%)
     
  • DOW JONES

    28.341,32
    +32,53 (+0,11%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.731,75
    +71,00 (+0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6556
    +0,0292 (+0,44%)
     

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem, gastos dos consumidores em agosto são sólidos

·1 minuto de leitura
Feira de emprego em Burbank, Los Angeles
Feira de emprego em Burbank, Los Angeles

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com pedidos de auxílio-desemprego caiu na semana passada, embora tenha permanecido em níveis de recessão, destacando a necessidade de outro pacote de resgate do governo.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 837 mil em dado ajustados sazonalmente na semana encerrada em 26 de setembro, contra 873 mil na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Economistas consultados pela Reuters projetavam 850 mil pedidos na semana passada.

Os pedidos se consolidaram em níveis elevados depois de irem abaixo de 1 milhão em agosto, uma vez que o governo mudou a maneira como elimina flutuações sazonais dos dados. Eles estão acima do pico de 665 mil visto durante a Grande Recessão de 2007-09, embora tenham recuado do recorde de 6,867 milhões no final de março.

Os ganhos do mercado de trabalho com a reabertura das empresas estão diminuindo e economistas preveem desaceleração das contratações até o final de 2020 e em 2021, se não houver outro pacote fiscal.

Relatório separado nesta quinta-feira do Departamento do Comércio mostrou que os gastos dos consumidores subiram 1,0% em agosto após aumento de 1,5% em julho. Economistas previam avanço de 0,8% em agosto dos gastos, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA.