Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,81
    -0,76 (-1,92%)
     
  • OURO

    1.907,30
    -4,60 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.645,55
    -35,19 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.535,00
    -53,00 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

Pedido de MPs para retomar ação por desastre de Mariana é "sem mérito", diz Vale

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A mineradora Vale afirmou nesta sexta-feira considerar "sem mérito" o pedido dos Ministérios Públicos Federal e Estadual de Minas Gerais para retomada de uma ação civil pública que buscava reparações empresa, da Samarco e da BHP pelo rompimento de uma barragem em Mariana (MG) em 2015.

Na véspera, os procuradores haviam solicitado em petição à Justiça o retorno imediato do processo bilionário movido contra as companhias pelo desastre na barragem de rejeitos de Fundão, que causou 19 mortes e poluiu o rio Doce. A unidade pertencia à Samarco, uma joint venture entre Vale e BHP.

O andamento da ação está suspenso desde 2018, depois de acordo entre autoridades federais, estaduais e as empresas. No pedido para a retomada, os procuradores citaram "impasse na contratação das assessorias técnicas", disse a Vale.

Essa obrigação era prevista no acordo com as autoridades, mas "atualmente encontra-se sob apreciação judicial", argumentou a companhia.

O pedido dos procuradores será avaliado pelo juiz responsável pela ação após manifestação das empresas, acrescentou a Vale no comunicado.

A Vale ainda negou que ela, a Samarco e a BHP estejam descumprindo obrigações referentes aos acordos assinados com as autoridades.

"As empresas consideram o pedido dos autores sem mérito, tendo em vista que não houve qualquer inadimplemento por parte das empresas de suas obrigações sob referidos acordos", afirmou.

A companhia acrescentou ainda que o pedido não impacta nos trabalhos da Fundação Renova, constituída por ela e pela BHP para atuar na reparação dos danos, e não "altera os compromissos assumidos pelas empresas."

A Reuters noticiou no mês passado que o MPF tem buscado ser mais incisivo contra as empresas nos processos relacionados aos desastres na mineração por entender que ações de reparação estão atrasadas e insuficientes.

(Por Gabriel Araujo)