Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.285,30
    -1.401,06 (-3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

PEC Emergencial será pauta na próxima semana, diz presidente do Senado

Maria Carolina Marcello e Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, em Brasília

Por Maria Carolina Marcello e Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta quinta-feira que a chamada PEC Emergencial será pautada no plenário da Casa na próxima semana e que o parecer da proposta deve ser divulgado até a segunda-feira.

Pacheco esteve reunido nesta quinta com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir o auxílio emergencial e contrapartidas para o programa assistencial.

"Ficou ajustado hoje, na reunião de líderes do Senado, que dentre muitos projetos que nós vamos pautar na semana que vem, será pautada a PEC Emergencial", disse o presidente do Senado em pronunciamento após conversa com Guedes e Lira.

"O parecer (da PEC) será apresentado pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC) de hoje até segunda-feira e essa aprovação pelo Senado Federal permitirá, através de uma cláusula de orçamento de guerra, uma cláusula de calamidade, que se possa ter a brecha necessária para implantar o auxílio emergencial no Brasil", explicou Pacheco.

O presidente afirmou que a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que traz gatilhos para o teto de gastos, irá permitir a implementação do auxílio emergencial, mas não implica em uma condição.

"O objetivo da reunião foi novamente nós tratarmos a respeito do encaminhamento do auxílio emergencial no Brasil e da contrapartida que estamos buscando fazer --não como condição para a implantação do auxílio emergencial--, mas como uma sinalização positiva de que o Senado e a Câmara têm responsabilidade fiscal", garantiu.

LATERAIS

Em meio ao suspense que tomou conta da Câmara nesta semana, após a prisão de um de seus integrantes --o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) por atacar ministros do Supremo Tribunal Federal--, Lira afirmou que a democracia é "forjada em firmeza de posição de instituições". Para ele, a reunião desta quinta configura uma demonstração que a Casa irá "enfrentar os problemas", e que eles "se acomodam gradativamente com o tempo".

Lira garantiu que as pautas tidas como prioritárias continuarão "firmes" e "sem obstáculos".

"Essa reunião de hoje é simbólica, ela demonstra todo o caráter de prioridades das duas Casas, junto com o ministro da Secretaria de Governo, com o ministro Paulo Guedes, a presidente da Comissão de Orçamento do Congresso Nacional, para que nós continuemos a tratar dos assuntos que são importantes para o Brasil", disse o presidente da Câmara, citando PECs, o auxílio emergencial e vacinas como temas essenciais.

"Todos os outros assuntos, eles são laterais", acrescentou o deputado.