Mercado fechará em 2 h 32 min
  • BOVESPA

    103.773,25
    +2.998,68 (+2,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.528,78
    +521,62 (+1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,73
    +1,16 (+1,77%)
     
  • OURO

    1.767,90
    -16,40 (-0,92%)
     
  • BTC-USD

    56.322,83
    -2.583,20 (-4,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.437,81
    -1,07 (-0,07%)
     
  • S&P500

    4.570,93
    +57,89 (+1,28%)
     
  • DOW JONES

    34.599,98
    +577,94 (+1,70%)
     
  • FTSE

    7.140,75
    -27,93 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.957,00
    +87,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3520
    -0,0948 (-1,47%)
     

PEC dos Precatórios tem votos para ser aprovada, diz líder do governo

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.08.2021 - O deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.08.2021 - O deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, afirmou à coluna Painel, da Folha de S.Paulo, no início da tarde desta quarta-feira (3), que há votos suficientes para aprovar a PEC dos Precatórios.

Ele disse também que há garantia de quórum para a votação nesta quarta (2). A oposição não mudou de ideia.

A PEC defendida pelo governo pretende modificar o cálculo do teto de gastos para viabilizar o Auxílio Brasil, programa social que vai substituir o Bolsa Família.

O líder do PT, Bohn Gass (PR), afirmou à coluna Painel que o partido votará contra.

Integrantes do governo Bolsonaro contavam com recuo do PT para aprovar a proposta uma vez que demandas dos governadores do Nordeste foram atendidas. ​

O governo fez nos últimos dias forte pressão em cima da base, ameaçando paralisar transferências de emendas impositivas para quem se ausentasse da sessão.

A pressão resultou em uma queda de braço entre a Câmara e o Palácio do Planalto.

Os deputados da base e de partidos independentes pedem a liberação de mais recursos para apoiar a proposta.

Aliados de Bolsonaro, entretanto, ameaçam cortar até as emendas impositivas, cujo pagamento é obrigatório, dos parlamentares para pressionar pelo apoio à PEC.

Na contabilidade dos parlamentares, o placar atual é apertado para o governo. Com quórum máximo, a expectativa é ter cerca de 10 votos além dos 308 necessários para aprovação.

O governo e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) pretendiam votar a PEC na quarta (27), mas a ausência de deputados e divergências no texto adiaram a votação.

Após reunião de líderes da base com Lira, a votação foi confirmada para a sessão desta quarta (3).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos