Mercado fechará em 4 h 11 min
  • BOVESPA

    112.969,90
    -62,08 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,38
    +88,02 (+0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,77
    -2,64 (-2,95%)
     
  • OURO

    1.789,70
    -8,40 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    23.871,17
    -306,90 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    568,33
    -3,59 (-0,63%)
     
  • S&P500

    4.305,50
    +8,36 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.147,76
    +235,32 (+0,69%)
     
  • FTSE

    7.542,46
    +33,31 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.647,50
    -33,75 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2331
    +0,0546 (+1,05%)
     

PEC dos Precatórios será fatiada e alterações só serão votadas pela Câmara em 2022

·2 min de leitura

BRASÍLIA — O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quinta-feira que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, aprovada pelo Senado, será fatiada e apenas uma parte será promulgada ainda neste ano. As alterações feitas pelo Senado deverão ser votadas apenas em 2022, afirmou Lira.

Como se trata de uma PEC, o texto não passa por sanção presidencial. O texto é promulgado pela cúpula do Congresso e passa a valer imediatamente. Dessa forma, seria possível pagar o Auxílio Brasil de R$ 400 antes do Natal e ao longo de 2022.

Em uma PEC também é possível promulgar apenas o que é consenso entre Câmara e o Senado. No caso dessa proposta, o consenso entre as duas Casas é a espinha dorsal da PEC. O texto limita o pagamento de precatórios (dívidas decorrentes de decisões judiciais) e revista o teto de gastos (a regra que impede o crescimento das despesas da União acima da inflação).

— O máximo esforço possível para que o texto comum das duas Casas seja promulgado o mais rápido possível, para permitir que mais de 20 milhões recebam o Auxílio — disse Lira.

O presidente da Câmara explicou que, na Casa, a parte alterada pelo Senado precisará passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por uma comissão especial e pelo plenário em duas votações.

— É importante que todos entendam que, nem mercado, nem bolsa, nem dólar, nem juro futuro, nem empresários, nem estados e municípios, nem credores dos precatórios, muito mais ainda aqueles que precisam do auxílio podem esperar. Então é muito normal, já aconteceu diversas vezes, que textos comuns entre as duas casas, possam ser promulgados — afirmou Lira.

A votação das alterações deve ficar apenas para 2022, disse o presidente da Câmara:

— Eu não creio que nesse ano, o que não for comum, possa ser votado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos