Mercado abrirá em 4 h 15 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,34
    +0,44 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.836,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    58.455,33
    +345,96 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.559,83
    +124,05 (+8,64%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.142,45
    +12,74 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.674,00
    -35,75 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Paulo Guedes: PT ganhou merecidamente quatro eleições após criar o Bolsa Família

Redação Finanças
·3 minuto de leitura
Brazil's Economy Minister Paulo Guedes attends a seminar on the resumption of the Brazilian economy, in Brasilia, Brazil, December 8, 2020. REUTERS/Ueslei Marcelino
Guedes foi questionado sobre a redução no valor do auxílio emergencial, pago a trabalhadores informais e a famílias de baixa renda durante a pandemia
  • Guedes: Bolsa Família foi "belíssima iniciativa"

  • Pobreza pode ser erradicada em até cinco anos com programa de renda

  • A ideia do governo Bolsonaro é reformular o Bolsa Família a partir de agosto

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta terça-feira (4) que, ao criar o Bolsa Família, o PT merecidamente conseguiu vencer quatro eleições presidenciais seguidas. Para ele, o programa de transferência de renda aos mais pobres foi uma "belíssima iniciativa".

"[O PT] ganhou quatro eleições seguidas merecidamente, porque fez a transferência de renda para os mais frágeis com um bom programa. Um programa que envolvia poucos recursos e que tinha um altíssimo impacto social", declarou o ministro, em audiência pública na Câmara.

Leia também:

Guedes foi questionado sobre a redução no valor do auxílio emergencial, pago a trabalhadores informais e a famílias de baixa renda durante a pandemia. O benefício, no ano passado, foi de R$ 600, mas caiu para R$ 300 e, em 2021, pode variar entre de R$ 150 a R$ 375 por mês.

Ele respondeu que o programa tem que ser adotado com responsabilidade com as contas públicas, pois o dinheiro que banca a medida precisa sair de algum lugar. Por entraves financeiros, segundo o ministro, os governo do PT deixaram o benefício médio do Bolsa Família na faixa de R$ 170 por mês.

"Numa democracia, você da mérito ao que foi bem feito. Agora explica: por que não foi feito antes esse auxílio emergencial de R$ 600? Porque os R$ 600 já são mais difíceis e exigem bases de financiamento sustentáveis a longo prazo", afirmou o ministro.

A nova rodada do auxílio emergencial está prevista para acabar em julho. Reportagem publicada pela Folha nesta terça mostrou que, diante do atraso na chegada de vacinas contra o coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem sido pressionado pelo Congresso a acelerar o processo de criação de um programa social que substitua o auxílio emergencial.

Novo Bolsa Família

A ideia do governo Bolsonaro é reformular o Bolsa Família a partir de agosto, ampliando a transferência de renda aos mais vulneráveis. Ainda não há previsão para a proposta ser apresentada. Ele afirmou que o país pode fazer a escolha de lançar um programa de erradicação da pobreza de "quatro, cinco anos", financiado com recursos da venda de empresas estatais.

"Isso terá que ser um esforço conjunto, isso é um Congresso inteiro, uma PEC, é algo que nós temos que pensar juntos", afirmou.

A audiência na Câmara reúne membros de quatro comissões: trabalho; finanças e tributação; educação; e seguridade social.

Guedes participaria de um debate na comissão de fiscalização financeira da Câmara e controle também nesta terça, mas ele não compareceu. Com isso, o colegiado aprovou um novo convite para que o ministro vá à Câmara, presencialmente, em junho.

Se Guedes não for em junho, a comissão pretende aprovar então uma convocação, quando uma autoridade é obrigada a comparecer.

Ainda nesta terça, a comissão de fiscalização financeira e controle aprovou um convite para o ministro André Mendonça (Advocacia-Geral da União) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) prestem esclarecimentos sobre disseminação de notícias falsas sobre a pandemia propagadas pelo governo por meios institucionais e também nas redes sociais.

Da Folha de S.Paulo