Mercado abrirá em 6 h 33 min

Paulo Guedes diz que auxílio emergencial não será prorrogado até junho de 2021

Anita Efraim
·1 minuto de leitura
Brazil's Economy Minister Paulo Guedes arrives for a ceremony celebrating National Volunteer Day, at Planalto presidential palace in Brasilia, Brazil, Friday, Aug . 28, 2020. (AP Photo/Eraldo Peres)
Paulo Guedes negou que benefício será prorrogado mais uma vez (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o auxílio emergencial não será prorrogado até junho de 2021. A informação é do blog Radar, da revista Veja. A possibilidade havia sido ventilada em Brasília.

O benefício foi cortado pela metade nos últimos três meses de 2020. Inicialmente no valor de R$ 600 e mais amplo, agora menos pessoas estão recebendo os R$ 300. “Não tem prorrogação do auxílio no ano que vem. Isso não existe”, disse Guedes ao Radar.

O benefício foi criado para auxiliar pessoas de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus. Inicialmente, o projeto do governo Jair Bolsonaro era que o auxílio fosse de R$ 200, mas parlamentares aumentaram o valor para R$ 500 e o presidente definiu o valor de R$ 600.

Caso valesse por mais seis meses, o custo do auxílio emergencial ficaria em R$ 100 bilhões. Antes da primeira extensão do programa, quando o benefício era de R$ 600, o custo foi de 50 bilhões por mês. Entre setembro e dezembro, o gasto do mensal foi de 17,75 bilhões.

Leia também

Na última terça-feira, 7, os partidos de oposição decidiram obstruir todas as votações na Câmara dos Deputados. O objetivo era forçar a votação da medida provisória que pede que, até o fim do ano, o auxílio continue na casa dos R$ 600.

O governo ainda tenta articular a criação de um novo programa de transferência de renda, o Renda Cidadã, para substituir o Bolsa Família e aumentar o valor do benefício. No entanto, ainda não há consenso sobre de onde sairiam os recursos para financiar o programa.