Mercado fechará em 44 mins
  • BOVESPA

    116.245,60
    +111,14 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.096,74
    +666,99 (+1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,27
    +2,64 (+3,16%)
     
  • OURO

    1.734,20
    +32,20 (+1,89%)
     
  • BTC-USD

    20.075,95
    +536,83 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,73
    +10,29 (+2,31%)
     
  • S&P500

    3.776,06
    +97,63 (+2,65%)
     
  • DOW JONES

    30.192,22
    +701,33 (+2,38%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.621,75
    +336,00 (+2,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1657
    +0,0918 (+1,81%)
     

Paulinho da Força diz que é fácil derrubar veto de Bolsonaro para vale-refeição em dinheiro

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 28.06.2016 - O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SD-SP). (Foto: Alan Marques/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 28.06.2016 - O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SD-SP). (Foto: Alan Marques/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Após o presidente Jair Bolsonaro (PL) barrar a ideia de liberar o saque do vale-refeição em dinheiro, o relator da medida provisória com a proposta, Paulinho da Força (Solidariedade-SP), diz que o veto pode ser derrubado.

Os parlamentares vão dar a palavra final sobre o texto, podendo reverter a decisão, segundo ele.

"Esse é um veto fácil de derrubar, porque foi um acordo do Congresso. Quem fez a redação final do pagamento de 60 dias da sobra foi o líder do governo [na Câmara], o Ricardo Barros (PP-PR). E aí o presidente veta? É um absurdo isso", diz Paulinho da Força.

Ele afirma que ainda vai começou a mobilizar outros deputados sobre o assunto.

Foi nesta segunda (5) que o presidente vetou a possibilidade de o trabalhador sacar em dinheiro o vale-alimentação que não for usado. Também saiu do texto final, por decisão de Bolsonaro, a possibilidade de repasse das sobras da contribuição sindical obrigatória, que foi extinta em 2017, para centrais sindicais.