Mercado fechará em 5 h 17 min
  • BOVESPA

    113.658,49
    -519,05 (-0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,10
    +1,09 (+1,35%)
     
  • OURO

    1.934,60
    +4,60 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    23.000,50
    -121,32 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,13
    -6,05 (-1,15%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.757,50
    -3,61 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.071,00
    -35,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5074
    -0,0123 (-0,22%)
     

Paul Krugman, vencedor do Nobel, diz que o Bitcoin chegou ao fim

Na última quinta-feira (1), Paul Krugman questionou a atual situação do mercado de criptomoedas em sua coluna semanal no New York Times, num artigo chamado “Blockchains, para que servem?”. O economista, vencedor do Nobel em 2008, revelou sua crença de que este “inverno cripto” é, na verdade, um inverno eterno que precede o fim do Bitcoin e dos criptoativos.

Em uma comparação com a mitologia nórdica, Krugman chama este período de recessão de “fimbulwinter” que consiste na sucessão de invernos que levará ao Ragnarök — ou o fim dos tempos. “Nesse caso, [o fim de] todo o mundo cripto, não apenas das criptomoedas, mas de toda a ideia de organizar a economia ao redor do famoso 'blockchain'”, pontua.

O especialista questiona a adesão da rede blockchain, pois, apesar de entender a lógica por trás da criação de um livro contábil descentralizado, se pergunta qual é a sua real utilidade e diz que nunca obteve uma resposta satisfatória. “Por que se dar ao trabalho e ao custo de manter um livro contábil em tantos lugares, e basicamente carregá-lo toda vez que uma transação ocorrer?”, questiona.

Sobre o uso da blockchain para baratear operações, Krugman destaca o movimento em que muitas instituições pioneiras no assunto parecem estar desistindo da ideia. Conforme cita o economista, a bolsa da Austrália desistiu de usar a rede para liquidar transações e a companhia de transporte marítimo Maersk, estaria reduzindo seus esforços para implementar a blockchain em suas cadeias de oferta.

O Bitcoin já perdeu mais de 50% de valor de mercado em 2022 (Imagem: Pexels/RODNAE Productions)
O Bitcoin já perdeu mais de 50% de valor de mercado em 2022 (Imagem: Pexels/RODNAE Productions)

Por fim, o vencedor do Nobel rebate os argumento de que o Bitcoin é útil para assegurar às pessoas do risco de bancos fugirem com o seu dinheiro ou governos imprimirem moeda até esta perder o seu valor. Segundo ele, as empresas de criptomoedas estão mais propensas a agir assim do que a economia tradicional, citando os escândalos relacionados a corretoras, incluindo a implosão da FTX.

“Bancos raramente roubam o dinheiro de seus clientes, enquanto as instituições cripto mais facilmente sucumbem à tentação; e a extrema inflação destruir o valor do dinheiro é algo que geralmente só acontece mediante o caos político”, defende.

Por fim, o economista avalia que a notoriedade alcançada pelas criptomoedas só foi possível graças a uma combinação de ideologia, impulsionada pela desconfiança em relação aos bancos e governos, e paixão por tecnologia. Em seu auge, outros investidores sofreram com a síndrome de estar de fora (FOMO — fear of missing out, em inglês), o que fez com que os criptoativos furassem a bolha.

“É uma história incrível e também uma tragédia. Não são apenas os pequenos investidores que perderam grande parte, senão todas as suas economias. A bolha do mundo cripto teve enormes custos para a sociedade como um todo. A mineração de Bitcoin sozinha usa tanta energia elétrica quanto muitos países”, conclui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: