Mercado fechará em 2 h 30 min
  • BOVESPA

    113.592,02
    +79,64 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.550,44
    -251,24 (-0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,91
    +1,38 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.776,50
    -13,20 (-0,74%)
     
  • BTC-USD

    23.431,93
    -383,28 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,00
    -15,82 (-2,76%)
     
  • S&P500

    4.277,62
    -27,58 (-0,64%)
     
  • DOW JONES

    34.000,33
    -151,68 (-0,44%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.922,45
    +91,93 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    29.222,77
    +353,86 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    13.474,25
    -184,00 (-1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2653
    +0,0335 (+0,64%)
     

Passagem aérea vai ficar mais cara no Brasil ainda neste mês

·2 min de leitura
Aeroporto Internacional de Guarulhos: preço da passagem aérea deve subir ainda neste mês
Aeroporto Internacional de Guarulhos: preço da passagem aérea deve subir ainda neste mês
  • Três principais linhas aéreas brasileiras estão pensando em aumentar o preço da passagem aérea;

  • Preço do petróleo no mercado internacional subiu rapidamente após a invasão da Ucrânia;

  • Setor estava começando a se recuperar da recessão causada pela pandemia de COVID-19.

As principais companhias aéreas brasileiras, Gol, Latam e Azul, estão planejando um aumento do preço das passagens ainda neste mês, afirmou a Folha de S. Paulo. De acordo com as empresas entrevistadas, o preço do petróleo no mercado externo tornou impraticável manter os preços como estão.

Desde o mês de janeiro a ideia de aumentar o preço já era estudada. Entretanto, com a guerra na Ucrânia, o preço do barril de petróleo chegou a crescer cerca de 30%, acentuando ainda mais o problema nessas duas últimas semanas.

O aumento vem em má hora para a indústria de voo, atrapalhando os planos de expansão das rotas das empresas e acabando com a recuperação do setor de turismo doméstico, que iniciou nos últimos três meses.

O setor de viagens aéreas foi um dos mais impactados pela pandemia de COVID-19, tanto pela parada de diversas atividades econômicas, fechamento de fronteiras, restrições sanitárias e até mesmo a adoção completa do home office. No Brasil, cerca de um terço da receita das linhas aéreas eram provenientes de viagens a negócios, que foram substituídas por videoconferências.

De acordo com as empresas, o momento econômico atual chega a ser pior do que há 14 anos atrás, quando o barril do petróleo também chegou perto do patamar atual. Nesta sexta-feira, 11, o barril de petróleo está sendo comercializado por volta de US$ 112,11 no mercado internacional. Na semana passada, porém, o preço do artigo chegou perto de bater os US$ 140.

A chave para entender a diferença do momento atual com 14 anos atrás está na taxa de câmbio. Na época, o dólar estava abaixo de R$ 2, quando hoje ele está acima dos R$ 5. Isto acaba por gerar muitos custos para a indústria da aviação, que tem diversos custos cotados na moeda americana.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos