Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    53.539,43
    -3.124,12 (-5,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Partido Comunista chega aos 100 anos com tentáculos em todos os aspectos da vida na China

·7 min de leitura
**ARQUIVO** BRASILIA, DF, 14.11.2019: O presidente da China, Xi Jinping, durante reunião no Palácio do Itamaraty. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO** BRASILIA, DF, 14.11.2019: O presidente da China, Xi Jinping, durante reunião no Palácio do Itamaraty. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em um dia normal, o doutorando em relações internacionais Zeng Weishen se levanta cedo. Ainda na cama, checa as redes sociais e as principais notícias do dia em aplicativos e portais da China.

Quando não está correndo para cumprir os prazos da universidade, lê também as últimas atualizações do seu comitê de bairro —em geral um boletim com o status de obras e da manutenção de serviços públicos, além de novidades sobre impostos ou novas regulamentações municipais em Pequim. Depois, vai à academia e passa em uma lojinha, na qual paga a conta do café da manhã com uma carteira digital.

Essa rotina comum na vida de um cidadão chinês concentra uma característica central do país asiático: todas as atividades descritas passam, direta ou indiretamente, pelo Partido Comunista. Na semana em que celebra seu centenário, a organização pode reivindicar o feito de ter se tornado tão presente na vida da população ao ponto de muitas vezes suas funções serem confundidas com o próprio aparato estatal. A sigla celebra seu centenário nesta quinta-feira (1º).

Nas notícias, o discurso é filtrado por diretrizes ideológicas do partido. Nas compras, as bases para a utilização de moeda digital são definidas pela legenda, e uma das principais carteiras digitais, o Zhīfùbǎo (ou AliPay, na versão ocidentalizada), pertence ao bilionário Jack Ma, filiado ao PC Chinês desde os anos 1980. No relacionamento dos cidadãos com o poder público, as comunas de bairro orientam sobre medidas sanitárias, obras, contagem do censo e, mais recentemente, a fila da vacina contra a Covid.

O partido também está presente na obrigatoriedade do ensino de marxismo à maioria dos universitários chineses, na definição de currículos escolares, na supervisão do grande firewall responsável por bloquear sites ocidentais na China e na concepção de políticas que regem a vida de minorias.

Para Zeng, a presença do Partido Comunista se traduz também no relacionamento familiar e no ativismo político, já que o pai dele, um oficial sênior há anos, atua na máquina pública. Os tios e o avô também são membros da organização. "Meu pai iniciou a carreira como um funcionário do programa local de redução da pobreza. Era um trabalho difícil e que me deixava muito orgulhoso, pelo esforço dele para entender a realidade, ajudar os menos favorecidos e auxiliá-los de uma forma que eles possam compreender e aceitar", conta o doutorando, acrescentando que a filiação partidária e o trabalho do pai no governo local foram essenciais à sua formação moral e, posteriormente, na decisão de se filiar ao Partido Comunista.

Entender os tentáculos da legenda no governo chinês é essencial para a manutenção de boas relações com o país. A autoridade do PC Chinês, muitas vezes, é mais importante que a autoridade governamental. O primeiro-secretário de uma província, por exemplo, é mais importante que um governador.

Com cerca de 92 milhões de membros —o que faz da sigla a segunda maior organização política do mundo, atrás apenas do Partido do Povo Indiano, ou BJP, na sigla em inglês, que tem ao menos 180 milhões de filiados—, o Partido Comunista chinês exerce influência superior aos seus números superlativos, mesmo em um universo de 1,4 bilhão de habitantes, afirma o sinólogo e professor de relações internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) Maurício Santoro.

"Proporcionalmente, [o número de membros] pode parecer pequeno, mas é uma organização central na China, sobretudo pelo recrutamento de figuras proeminentes da sociedade. É, efetivamente, além de uma estrutura política robusta, uma grande rede de contatos", analisa Santoro.

Para o professor, essa conexão entre povo, Estado e partido hoje é tão interligada que a trajetória do PC Chinês "se confunde com a própria história nacional, uma narrativa amplificada pelo Departamento de Propaganda ao delegar à legenda os créditos pelo sucesso do desenvolvimento, pela restauração da unidade nacional e por devolver à China o status de uma grande potência, respeitada pelo mundo".

Evandro Menezes de Carvalho, coordenador do Núcleo de Estudos Brasil-China da FGV Direito Rio, corrobora essa visão. Para ele, o PC Chinês é mais presente que o próprio Estado, e um exemplo disso é a Frente Unida, que aglutina sindicatos, federações feministas e ativistas sociais. A atuação do órgão escancara as diferenças do modelo político que tornam o limite entre Estado e partido tão tênue.

"O Partido Comunista dá a linha ideológica e o direcionamento para o Estado, que tem de executar tarefas. Ao mesmo tempo, quando está presente nos sindicatos, na mídia e nos grupos sociais, ele também está nas organizações de base, pressionando esse mesmo Estado a transformar as orientações em leis e políticas públicas", afirma Menezes. "É uma lógica interessante, porque o partido sozinho não legisla, mas orienta no topo da pirâmide e traz coesão às demandas da base."

Assim, essa estrutura tão particular rompe com a lógica de separação dos três Poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) em prol de uma fidelidade não individual ou organizacional, mas à República.

Responsável pelas análises da China no Grupo Eurásia e especialista na estrutura burocrática partidária chinesa, o pesquisador Neil Thomas diz que, sobretudo na gestão de Xi Jinping, o PC Chinês vem assumindo mais funções antes delegadas apenas ao governo. Em 2018, uma grande reorganização administrativa nublou ainda mais a fronteira entre partido e máquina estatal.

"O Conselho de Estado, por exemplo, era o principal responsável pela formulação da política econômica. Com Xi, o partido assumiu essa tarefa por meio da comissão de reformas, uma espécie de órgão dedicado a definir, implementar e coordenar a política econômica. Xi também acumulou a presidência da comissão central econômica e financeira, que antes era uma função do primeiro-ministro", afirma Thomas.

Além da simbiose com o Estado, o partido aumenta a presença no setor privado. Pesquisa da Federação da Indústria e Comércio de Toda a China em parceria com a Academia Chinesa de Ciências Sociais mostrou que o número de organizações partidárias de base —uma espécie de filial do Partido Comunista nas empresas— saltou de 4% em 1993 para 48,3% em 2018. Na lista das 500 maiores companhias, essa cifra é significativamente maior: de acordo com uma pesquisa do think tank Macro Polo, chega a 92,4%.

A doutoranda na UERJ Melissa Cambuhy, que conduz uma pesquisa sobre os processos de reestruturação produtiva nas empresas chinesas, diz que o socialismo com características chinesas, com presença robusta do partido dentro de organizações privadas, "usa o mercado como um alocador de recursos a serviço do planejamento econômico estatal". "Esse modelo direciona a produção para os interesses nacionais e, em última instância, lidera os investimentos em inovação tecnológica."

Melissa afirma que a capilaridade da legenda em diversas esferas da vida chinesa ofereceu bons resultados recentes, como, por exemplo, na crise da Covid-19. A professora lembra que os comitês partidários de bairro foram responsáveis por quebrar a cadeia de transmissão do vírus, na medida em que entregavam comida para idosos, faziam medições de temperatura e forneciam suprimentos médicos, sem contar a capacidade de mobilizar voluntários, mesmo que não filiados ao partido. "Para o chinês comum, ficou bem claro a proximidade em um momento de crise."

​Zeng Weishen, cuja rotina é regida, direta ou indiretamente, pelo PC Chinês, rejeita a percepção de um partido controlador e onipresente. Ele cita os canais de tecnologia hoje disponíveis para levar demandas aos comitês que ajudam a intermediar o contato com o poder público. Para Menezes de Carvalho, a opinião do estudante denota o quão central será a tecnologia na ramificação do Partido Comunista no tecido social e na própria sobrevivência da organização nas próximas décadas.

"Com a coleta de dados em massa, eles já são capazes de acompanhar online e em tempo real o que as pessoas querem, uma condição essencial para se manter no poder. Trata-se, claro, de um poder enorme, mas que no Ocidente está nas mãos de empresas, como o Facebook", afirma.

Para ele, os avanços tecnológicos podem criar um cenário em que o Partido Comunista chinês seja capaz de prever "não só o que sociedade quer hoje, mas o que ainda vai querer, criando uma discrepância com as democracias nas quais a vontade popular se traduz a cada quatro anos em uma plataforma política que tenta, e nem sempre consegue, responder às demandas sociais".

Já Santoro, da UERJ, defende uma forma diferente de pensar a relação entre povo e partido daqui pra frente. O sinólogo afirma crer ser necessário "relativizar o mito da onisciência" do PC Chinês e cita os casos das siglas comunistas européias que sucumbiram no final da década de 1980 e no início dos anos 1990 graças a agitações populares. "Há um aparato de controle muito sofisticado, mas também uma sociedade capaz de se mobilizar em grandes números. Nenhum partido é onisciente e onipresente, as estruturas político-sociais são sempre mais complexas que isso."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos