Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.224,09
    +713,13 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Participação de mercado da Huawei diminui na China

·2 minuto de leitura
Um homem passa por uma loja da Huawei enquanto fala em um telefone celular, em 25 de maio de 2020 em Pequim

A participação de mercado dos smartphones da chinesa Huawei despencou no último trimestre de 2020 no gigante asiático, devido ao efeito das sanções americanas - é o que mostram dados publicados nesta sexta-feira (29) pela consultoria Canalys.

O governo americano do ex-presidente Donald Trump acusou a Huawei, especialista em tecnologia 5G e segunda maior fabricante de telefones do mundo, de espionar em nome de Pequim, o que o grupo de telecomunicações nega.

Em 2019, as autoridades americanas incluíram a Huawei em uma lista negativa para impedir que a empresa adquirisse tecnologia americana essencial para seus telefones.

De acordo com o estudo da Canalys, essa situação fez as vendas da gigante chinesa despencarem em seu mercado interno no final de 2020.

No quarto trimestre, a Huawei vendeu na China 18,8 milhões de telefones (-44% em um ano). Sua participação de mercado no país caiu para 22%, ante 38% um ano antes.

"Este é provavelmente o período mais difícil para a Huawei, que não consegue nem honrar seus pedidos no mercado doméstico", devido às sanções americanas, diz a analista da Canalys, Nicole Peng.

Desde setembro, a Huawei não pode equipar seus aparelhos top de linha com os novos chips Kirin, já que o grupo não tem capacidade para substituí-los.

Também não tem acesso a atualizações para o Android, sistema operacional do Google nos Estados Unidos, o mais utilizado entre os telefones.

Na China, a Huawei ainda é a maior vendedora de smartphones, embora seus compatriotas Oppo (20% do mercado) e Vivo (19%) estejam em seus calcanhares.

A americana Apple é a quarta, com 18% do mercado, "seu melhor resultado na China em vários anos", segundo a Canalys.

Em 2019, uma pequena minoria de chineses pediu um "boicote ao iPhone" da marca americana e defendeu a Huawei, em razão das sanções americanas.

No conjunto de 2020, contudo, a Huawei mantém uma vantagem confortável sobre seus concorrentes na China, com 38% de mercado, contra 18% da Oppo, em segundo lugar.

Enfrentando dificuldades em função das sanções americanas, a Huawei foi forçada a vender em novembro passado sua marca de smartphones Honor.

No início desta semana, a Huawei negou querer se separar do restante de suas atividades de smartphones.

sbr/bar/ob/af/yow/mr/tt