Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.055,52
    -603,16 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Parlamento russo apoia legislação que permite a Moscou bloquear redes sociais dos EUA

·1 minuto de leitura
Câmara dos Deputados da Rússia

MOSCOU (Reuters) - O governo russo poderá ganhar poderes para restringir o acesso de sua população às redes sociais de empresas dos Estados Unidos se elas "discriminarem" a mídia russa e poderá aplicar multas pesadas sobre plataformas que não apagarem conteúdo proibido.

Os novos poderes estão previstos em legislações aprovadas nesta quarta-feira pela Câmara dos Deputados do país.

Os autores dos projetos legislativos afirmaram que infrações de YouTube e Facebook demonstraram a necessidade das novas regras, que são parte de um esforço para aumentar a "soberania" da Rússia sobre a internet.

A primeira legislação permitirá ao governo restringir ou bloquear totalmente o acesso a sites que receberem reclamações de veículos russos de mídia sobre suposta discriminação por parte de Twitter, Facebook ou Youtube.

O Twitter começou em agosto a identificar as contas de vários veículos russos de mídia como "mídia afiliada ao governo", junto com as contas de seus integrantes de alto escalão e de algumas autoridades de governo, em uma decisão que foi criticada pela Rússia na época.

A segunda legislação permitirá ao governo russo multar provedores de internet e sites entre 10% e 20% de seu faturamento por insistirem em não remover conteúdo proibido de suas plataformas.

As duas regras ainda precisam de aprovação do Senado russo e serem sancionadas pelo presidente Vladimir Putin.

Representantes de Google, Twitter e Facebook não comentaram o assunto.

(Por Nadezhda Tsydenova)