Mercado fechará em 6 h 59 min
  • BOVESPA

    119.564,44
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    -0,27 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.796,10
    +11,80 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    57.594,59
    +1.914,25 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,72
    +75,41 (+5,37%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.049,89
    +10,59 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.485,25
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4130
    -0,0139 (-0,22%)
     

Parlamento europeu acerta votação dia 27 de abril de acordo comercial UE-Reino Unido

Philip Blenkinsop
·1 minuto de leitura
Parlamento europeu vota em abril acordo comercial UE-Reino Unido

Por Philip Blenkinsop

BRUXELAS (Reuters) - O Parlamento Europeu votará um tratado comercial pós-Brexit acordado entre o Reino Unido e a União Europeia na próxima terça-feira, depois que líderes políticos recuaram sob a ameaça de não ratificar o acordo devido a mudanças britânicas nos acordos comerciais da Irlanda do Norte.

Espera-se que os legisladores da UE apoiem de forma esmagadora o acordo de comércio e cooperação, etapa final de sua aprovação, mas havia dúvidas se o fariam a tempo.

O Parlamento enfrenta um prazo limite que se encerra em abril, mas disse que quer ver o Reino Unido avançar na implementação do protocolo da Irlanda do Norte, parte do acordo de retirada do Brexit que cobre a posição especial da região britânica.

Se não houvesse votação neste mês e a aplicação provisória do acordo não fosse prorrogada, o acordo comercial deixaria de ser aplicável, deixando o comércio entre Reino Unido e União Europeia com tarifas e cotas.

A Irlanda do Norte permaneceu no mercado único europeu de bens para garantir uma fronteira aberta contínua com a Irlanda, membro da UE, mas isso exige o controle das mercadorias vindas de outras partes do Reino Unido para a região.

"No entanto, o governo do Reino Unido não deve interpretar isso como um sinal de que estamos baixando a guarda", disse Andreas Schieder, um dos parlamentares encarregados do processo.

Ele disse que o Parlamento estava reforçando sua posição porque o acordo comercial incluía potenciais sanções, como a restrição do acesso ao mercado.

(Por Philip Blenkinsop)