Mercado fechará em 3 h 49 min
  • BOVESPA

    129.452,65
    +685,20 (+0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.273,05
    +143,17 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,66
    +0,81 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.787,90
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    33.841,81
    +1.470,85 (+4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    811,28
    +1,09 (+0,13%)
     
  • S&P500

    4.250,27
    +3,83 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    33.936,40
    -9,18 (-0,03%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.282,00
    +23,75 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9108
    -0,0090 (-0,15%)
     

Parlamento da UE congela ratificação de acordo com a China até Pequim suspender sanções

·1 minuto de leitura
Parlamento da UE congela ratificação de acordo com a China até Pequim suspender sanções

Por Robin Emmott

BRUXELAS (Reuters) - O Parlamento Europeu suspendeu na quinta-feira a ratificação de um novo acordo de investimento com a China até que Pequim suspenda as sanções a políticos da União Europeia (UE), aprofundando uma disputa nas relações sino-europeias e negando às empresas da UE maior acesso à China.

A resolução para congelar a ratificação foi aprovada com 599 votos a favor, 30 votos contra e 58 abstenções.

O Acordo Abrangente de Investimento UE-China, fechado por negociadores em dezembro após sete anos de conversas, tinha como objetivo colocar as empresas da UE em pé de igualdade na China e consolidar a posição de Pequim como parceiro comercial de confiança.

Mas Pequim impôs sanções em março a 10 políticos da UE, bem como a grupos de pesquisa e órgãos diplomáticos, em resposta às sanções ocidentais contra autoridades chinesas acusadas de detenções em massa de uigures muçulmanos no noroeste da China.

As sanções da China incluem cinco membros da Assembleia da UE e seu subcomitê de direitos humanos.

Pequim nega qualquer irregularidade.

O impasse é um retrocesso tanto para a China como para a UE. A ratificação do acordo permitiria uma maior proteção dos investimentos europeus e dos direitos de propriedade intelectual na China. A China esperava melhorar sua posição internacional como parceiro comercial justo e respeitoso, dizem os diplomatas europeus.

(Por Robin Emmott)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos