Mercado fechará em 6 h 16 min
  • BOVESPA

    98.338,62
    -1.282,96 (-1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,90
    -1,88 (-1,71%)
     
  • OURO

    1.821,20
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.078,26
    -964,61 (-4,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,75
    -23,72 (-5,50%)
     
  • S&P500

    3.758,15
    -60,68 (-1,59%)
     
  • DOW JONES

    30.550,95
    -478,36 (-1,54%)
     
  • FTSE

    7.149,13
    -163,19 (-2,23%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.539,75
    -151,25 (-1,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4709
    +0,0603 (+1,11%)
     

Parecer sobre indicado de Bolsonaro a chefiar Petrobras deve sair na sexta

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  20-06-2022 -  O presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 20-06-2022 - O presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O comitê interno responsável pela análise de indicados à alta administração da Petrobras deve se reunir na sexta-feira (24) para emitir um parecer sobre a indicação de Caio Paes de Andrade à presidência da companhia.

Segundo a Petrobras, o pacote completo de informações sobre o executivo foi recebido nesta terça (21). A expectativa é que o parecer seja analisado pelo conselho de administração no início da próxima semana.

Caso o nome seja aprovado, Paes de Andrade assume a chefia da estatal antes da assembleia de acionistas que elegerá o novo conselho indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). O processo de troca no comando foi acelerado pela renúncia de José Mauro Coelho nesta segunda (20).

Chamado de Comitê de Elegibilidade, o grupo responsável pela análise das indicações é formado por dois conselheiros da estatal, Francisco Petros e Luiz Henrique Caroli, e dois membros externos, Ana Silvia Matte e Tales Bronzatto.

Para avaliar o nome de Paes de Andrade, receberá o reforço de outro representante dos minoritários, o conselheiro Marcelo Mesquita.

Conhecido como "background check de integridade", o trabalho do Comitê de Elegibilidade processo inclui não só a avaliação do currículo, também investiga se os candidatos são alvo de processos, têm dívidas ou tiveram atuação em partidos políticos, por exemplo.

Esse processo foi instituído após a aprovação da Lei das Estatais, hoje alvo de críticas de aliados do governo, como o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), com o objetivo de blindar a companhia contra ingerências políticas.

Lira defende mudanças na lei por meio de uma medida provisória, que entraria em vigor imediatamente após a sua edição, facilitando trocas na diretoria da empresa.

Houve questionamentos sobre a adequação de Paes de Andrade ao cargo, que não não teria a experiência exigida no setor de petróleo ou em empresas do porte da Petrobras, já que construiu sua carreira em uma aceleradora de startups.

Enquanto Paes de Andrade não é efetivado no cargo, a companhia vem sendo presidida pelo diretor de Exploração e Produção, Fernando Borges, empregado da Petrobras há 38 anos e nomeado à diretoria pelo general Joaquim Silva e Luna.

O governo deve enfrentar questionamentos também na avaliação da lista dos indicados ao conselho de administração, formada majoritariamente por ocupantes de cargos públicos, com o objetivo de ter um grupo mais alinhado a Bolsonaro.

O caso mais polêmico é o de Jonathas Assunção, secretário-executivo da Casa Civil. A lei veda a nomeação de titular de cargo "de natureza especial ou de direção e assessoramento superior na administração pública".

Número dois da pasta comandada pelo deputado federal Ciro Nogueira (PP), uma das lideranças do centrão, Assunção é o primeiro ocupante do Palácio do Planalto indicado para o conselho da Petrobras desde o governo Dilma Rousseff.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos