Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,73
    +0,10 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.705,30
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    19.547,64
    +352,26 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,45
    +9,09 (+2,09%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.810,02
    +594,23 (+2,27%)
     
  • NASDAQ

    11.351,50
    +65,75 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0697
    -0,0042 (-0,08%)
     

Parece, mas não é: 'café fake' chama atenção após polêmica do soro de leite

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Após o leite fake e o leite condensado que não é bem leite condensado, um pó para preparo de bebida sabor café vendido na Amazon, da marca Pingo Preto, chamou atenção nas redes sociais.

Com os ingredientes de café tradicional torrado e moído, polpa de café e aromatizante, o produto foi apelidado de "cafake", união de café e fake (falso, em inglês). Na Amazon, a embalagem de 500 gramas é vendida por R$ 14,99.

No período da tarde, o produto era oferecido como "Café tradicional Pingo Sabor Café". Após contato da reportagem, a Amazon passou a oferecer o produto como "Pó para Preparo de Bebida Sabor Café Tradicional Pingo Preto".

O Grupo Jurerê, dono da marca Pingo Preto, diz que o produto é um composto para preparo de bebida regulamentado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e que, como práxis do processo de qualidade da indústria, teve seu rótulo enviado para verificação junto à Diretoria de Vigilância Sanitária antes do início da produção do produto final.

Questionada sobre a possibilidade de confundir o consumidor, declara: "Tem seu rótulo claro quanto à denominação de produto e composição do mesmo, com informações no padrão exigido pela legislação nacional, com letras do mesmo tamanho, sem destaque para expressões isoladas, o que de nenhuma forma caracteriza confusão ao consumidor."

O Grupo Jurerê acrescenta que "a indústria de alimentos nacional trabalha incessantemente na pesquisa e desenvolvimento de produtos que atendam a segurança alimentar, a necessidade econômica e nutricional do consumidor final, além de manter a responsabilidade com o abastecimento de alimentos em âmbito nacional".

A Amazon diz que está analisando o caso.

O produto tem como descrição em sua embalagem "Pó para preparo de bebida sabor café tradicional". Na parte inferior frontal está escrito "Pó para preparo de bebida sabor artificial de café tradicional. Aromatizado artificialmente". Há um selo em que se lê "com café arábica torrado e moído".

O Procon do estado de Santa Catarina declarou que o anúncio possui a informação clara e precisa ao consumidor, de acordo com os artigos 30 e 31 da lei nº 8.078/1990, e que a fonte da letra e a informação de que se trata de pó para preparo de bebida sabor café tradicional não deixam dúvida aos consumidores.

O Procon de São Paulo informou que notificará o Grupo Jurerê para prestar esclarecimentos sobre as questões trazidas pela reportagem, como a possibilidade de se passar por café e de provocar confusão em consumidores.

O café em pó foi um dos produtos com maior aumento de preço médio na cesta básica do paulistano, entre os avaliados em pesquisa do Procon-SP. Em julho de 2021, o preço médio de meio quilo de café em pó era de R$ 9,09. Em julho de 2022, o valor foi para R$ 15,57, um aumento de 71,29% que tem entre suas razões a demanda estável e a oferta impactada pelo clima.

Em resposta à publicação de usuário do Twitter (@RealUrso), houve comentários como "Nada como tomar um pó para preparo de bebida sabor café com mistura láctea pela manhã pra começar o dia", em referência aos similares lácteos que ganharam espaço com a inflação disparada.