Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.656,51
    +1.121,16 (+1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Parcela de exportações da China subiu na pandemia e pode atingir pico em breve, diz Unctad

·1 minuto de leitura
Exportações da China subem na pandemia

GENEBRA (Reuters) - A participação da China nas exportações globais aumentou durante a pandemia de Covid-19 para perto de 15%, embora seu domínio possa atingir um pico em breve, disse uma agência da Organização das Nações Unidas nesta terça-feira.

Em 2020, a China deteve a maior parcela das exportações globais de bens, com 14,7% do total, em comparação com 13,2% em 2019, de acordo com dados da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês). Em seguida ficaram os Estados Unidos, com 8,1%, e a Alemanha com 7,8%.

Dados iniciais deste ano sugerem uma continuação dessa tendência, com as exportações subindo quase 50% em relação ao mesmo período do ano anterior, para 710 bilhões de dólares no primeiro trimestre, mostraram cifras da Unctad.

"No geral, a China provavelmente continuará sendo o principal exportador mundial no futuro próximo", disse a agência em comentário. "No entanto, o domínio de suas exportações na economia global pode estar se aproximando de seu pico."

A Unctad apresentou várias razões para isso, incluindo a crescente dependência da China pela demanda interna, não externa, aumento dos custos trabalhistas e aumento da automação, que poderia estimular mais indústrias a se restabelecerem em países desenvolvidos.

As tensões geopolíticas e a falta de ação global para lidar com as questões sociais e ambientais podem levar a um "processo de desglobalização" que teria implicações mais fortes do que a média para grandes exportadores como a China, disse a Unctad.

(Por Emma Farge)