Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.733,98
    -306,86 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,01
    -2,50 (-0,68%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3383
    -0,0586 (-0,92%)
     

Paraná vende estatal de telecomunicações por R$ 2,4 bilhões

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O fundo de investimentos Bordeaux venceu nesta segunda (9) o leilão de privatização da Copel Telecom, empresa do governo paranaense que controla uma estrutura de fibra óptica. O fundo pagou R$ 2,395 bilhões, ágio de 70,94% em relação ao preço mínimo, de R$ 1,4 bilhão. O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), comemorou o valor "muito acima da expectativa" e o fato de ser o primeiro leilão de privatização do estado em 20 anos. "É um dia emblemático", afirmou. Quatro empresas ou consórcios apresentaram propostas pela Copel Telecom. A Bordeaux e a Algar, que fizeram as maiores ofertas na rodada inicial, foram para a disputa em viva-voz, que elevou o lance vencedor em 8,8%. A Copel Telecom tem 36 mil quilômetros de cabos de fibra óptica que levam internet de alta velocidade a todos os municípios do Paraná. Em agosto, a Bordeaux já havia adquirido em leilão o controle da Sercomtel, companhia de telecomunicações sediada em Londrina que atende 168 cidades paranaenses, com o compromisso de investir R$ 130 milhões em um processo de aumento de capital da empresa. A empresa vencedora do leilão não participou da entrevista à imprensa após o evento. Os empregados da Copel Telecom serão transferidos para a Copel Energia, que continuará prestando serviço de operação e manutenção da infraestrutura vendida nesta segunda. O governador do Paraná disse que os recursos serão usados para investimentos em geração e transmissão de energia pela Copel, empresa de eletricidade que controla a Copel Telecom. Segundo ele, a estatal energética não será privatizada. "Os recursos vão ser investidos naquilo que é a expertise da Copel, que é entregar eletricidade, fortalecendo essa empresa que é paranaense e vai continuar sendo do povo paranaense", afirmou. A empresa tem planos de instalar redes inteligentes e melhorar o atendimento em zonas rurais. Ratinho Junior disse que o leilão foi o "primeiro pontapé" de um programa estadual de privatizações e concessões, que inclui a distribuidora de gás canalizado Compagás, aeroportos e rodovias. Os primeiros leilões serão de pátios do Detran estadual. "É um grande pacote de modernização do estado, ao qual damos o primeiro pontapé hoje", disse o governador. Segundo ele, o objetivo é levantar recursos para investimento em áreas prioritárias, como saúde, educação e segurança pública. Com a crise financeira agravada pela pandemia, os governos estaduais vêm acelerando vendas de ativos e concessões. Apenas no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) são 18 projetos já em estágio avançado, com previsão de investimentos de R$ 180 bilhões. A lista inclui desde a venda de empresas de energia e gás canalizado a concessões de serviços como saneamento, operação de presídios e cerca de 8.000 quilômetros de estrada. Ainda há projetos estaduais sem parceria com o banco como a própria Copel Telecom. Nas últimas semanas, o banco ajudou a conceder serviços de água e esgoto em Alagoas e no Espírito Santo. O governo do Mato Grosso do Sul também realizou um leilão na B3 para conceder os serviços em 68 cidades do estado.