Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.996,72
    -45,95 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Paraná fará estudos para "otimizar investimentos" na Copel; ação dispara

Linha de transmissão de energia

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - O governo do Paraná decidiu estudar uma potencial operação para "otimizar investimentos" na elétrica paranaense Copel, em uma sinalização que levou as ações da estatal a dispararem até 9% no pregão desta terça-feira.

Segundo comunicado da elétrica divulgado na véspera, o Estado paranaense solicitou "informações técnicas" ao Conselho de Controle das Empresas Estaduais "a fim de subsidiar modelo para potencial operação no mercado de capitais em que se otimize o investimento do Estado" na Copel.

O comunicado não traz mais detalhes sobre a potencial operação, mas esclarece que o governo paranaense preservaria uma "participação societária relevante" na companhia. Atualmente, o Estado detém 69,7% das ações ON da elétrica, o equivalente a 31,1% do capital social total.

No ano passado, o governo de Ratinho Júnior (PSD), reeleito para um próximo mandato a partir de 2023, chegou a estudar uma venda de parte das ações do Estado na Copel em conjunto com o BNDES. Posteriormente, o governo paranaense acabou desistindo de acompanhar o banco no follow on.

Até então, o discurso de Ratinho Júnior tem sido de que não há intenção de privatizar a Copel, por se tratar de um ativo estratégico ao Estado. Nos últimos anos, o governo promoveu importantes ajustes na elétrica, com desinvestimentos de ativos não-estratégicos (Copel Telecom e, futuramente, a Compagas), mudanças no estatuto e reforma da política de dividendos.

Para o Bradesco BBI, o movimento mais recente pode ser interpretado como um sinal de que, pela primeira vez, o Paraná olha para a possibilidade de privatizar a Copel, ou pelo menos vender partes da empresa (a geração, por exemplo).

Em relatório, analistas do banco afirmaram que o governador agora tem, em princípio, menos restrições para avançar com a privatização, tendo amplo apoio no legislativo estadual. Avaliaram ainda que a uma venda de ativos se tornou mais atrativa após o Estado ter perdido receita tributária com novas regras de ICMS sobre as contas de luz.

A equipe do BBI prevê que seria mais provável uma privatização "completa" da companhia, em vez de venda de divisões específicas.

"Enquanto vender apenas as áreas de geração e transmissão implicaria menos oposição/barulho por parte dos políticos locais e da população paranaense, manter a distribuidora estatal, com margem mais baixa, provavelmente seria menos desejável devido aos riscos operacionais", escreveram os analistas do BBI Francisco Navarrete, João Fagundes e André Silveira.

No comunicado divulgado pela Copel, o governo disse que "a adoção de eventual modelo, a depender dos estudos que serão realizados para este fim, estará sujeita a determinadas aprovações, de acordo com a lei e os regulamentos aplicáveis".

Segundo a elétrica, a manifestação do Estado não deve ser considerada ou interpretada como sendo um anúncio de operação no mercado de capitais envolvendo a companhia.

(Por Letícia Fucuchima; com reportagem adicional de Paula Arend Laier)