Mercado fechará em 11 mins

Paralisação na Vale pode causar déficit no mercado de minério

Krystal Chia

(Bloomberg) -- O mercado global de minério de ferro pode ter déficit se a paralisação de operações no Brasil devido ao coronavírus persistir e os preços estão em equilíbrio arriscado, alertou o UBS Group. A avaliação reflete a crescente preocupação com as potenciais implicações da paralisação. Os contratos futuros do metal se mantiveram acima de US$ 100 por tonelada.

A expectativa é que a paralisação do complexo da Vale em Itabira — após trabalhadores terem contraído a Covid-19 — diminua a oferta, afirmou o UBS em nota, prevendo preços elevados até haver clareza sobre a produção. Separadamente, o National Australia Bank subiu as projeções para 2020 e a Macquarie Wealth Management avisou que o risco para a oferta aumentou.

O preço do minério de ferro disparou nesta semana, depois que um tribunal determinou que a Vale suspendesse as operações no complexo responsável por 10% da produção anual. A alta do preço foi amplificada pela forte demanda da China. Até o momento, a Vale não vê necessidade de cortar a projeção para a produção em 2020, embora bancos tenham sinalizado que atingir a meta atual será desafiador. A paralisação ajuda rivais da Vale, como BHP Group, Rio Tinto Group e Fortescue Metals Group.

O preço está em equilíbrio tênue porque oferta e demanda estão equiparadas, segundo o relatório do UBS escrito pela equipe de analistas que inclui Glyn Lawcock. O relatório elevou o preço-alvo das ações da Fortescue e avisou que, se as operações em Itabira continuarem paralisadas pelo resto de 2020 e as demais condições forem mantidas, o mercado entrará em déficit.

Os contratos futuros de minério de ferro chegaram a subir 0,7% antes de recuarem 0,6% para US$ 100,50 por tonelada em Cingapura. Os contratos mais ativos registraram cinco semanas consecutivas de ganhos. Atualmente, o UBS projeta a cotação em US$ 86 no segundo semestre.

Os bancos também fizeram as seguintes observações e previsões:

O UBS vê risco de não atingir sua estimativa de superávit de 12 milhões de toneladas em 2020, calculando um déficit de 5 milhões de toneladas se a paralisação em Itabira continuar até o final do ano. Contudo, o monitoramento de navios sugere uma grande reviravolta nos últimos embarques da Vale e, se o quadro for mantido, a cotação do minério de ferro deve ficar abaixo de US$ 100 por tonelada.O National Australia Bank subiu as previsões para a tonelada do produto de US$ 84 para US$ 90 em 2020 e de US$ 74 para US$ 83 em 2021, refletindo preocupações com a oferta.A Macquarie Wealth Management entende que a paralisação aumenta o risco para a oferta. Para a Vale atingir sua previsão anual de produção, precisará embarcar, em média, mais de 6 milhões de toneladas por semana até o fim do ano, nível que ainda não foi atingido em 2020.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.