Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.264,24
    +280,09 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Paraíba investiga reinfecção de adolescente que testou positivo para Covid-19 três vezes

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Adolescente de 14 anos testa positivo para Covid-19 três vezes na Paraíba

O Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB) investiga um suposto caso de reinfecção por coronavírus de uma adolescente de 14 anos que recebeu três diagnósticos positivos em intervalos superiores a 90 dias.

De acordo com reportagem do portal G1, os três testes para detecção da doença foram realizados em laboratórios particulares de João Pessoa, nos dias 17 de junho e 17 de novembro de 2020 e 26 de fevereiro de 2021.

Leia também

“São três exames com intervalo de mais de 90 dias [entre um e outro], o que caracteriza um caso suspeito de reinfecção. O que vai confirmar é o sequenciamento”, explicou Dalane Loudal, diretora técnica do Lacen-PB.

O caso deve ser tratado como reinfecção se os três resultados positivos tiverem sido provocados por duas ou três variantes do coronavírus. No entanto, se foram causados por uma mesma variante pode se tratar de um cenário de excreção prolongada. Nesse caso, o paciente continua com a infecção por um tempo maior do que o convencional e expele partículas do vírus que são detectadas nos exames, sem necessariamente ter a capacidade de transmiti-lo.

A diretora informou que vai partir para a investigação epidemiológica das amostras, que serão solicitadas aos laboratórios em que os testes foram realizados.

Se houver carga viral suficiente, elas serão enviadas para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, ou o Instituto Evandro Chagas, no Pará, para que passem por um sequenciamento genético.

A Paraíba identificou 11 variantes do coronavírus, sendo uma delas a que circula no Amazonas. Um caso de reinfecção pela doença foi confirmado: uma médica de 37 anos que trabalha no estado e mora em Natal.