Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,84
    -0,73 (-1,84%)
     
  • OURO

    1.907,80
    -4,10 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    13.666,31
    +46,76 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.538,75
    -49,25 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

Paraguai espera conter contração da economia e aposta em 2021

Hugo OLAZAR
·1 minuto de leitura
Presidente paraguaio Mario Abdo Benitez na sede do Banco Central em Assunção, em 2 de julho de 2020.
Presidente paraguaio Mario Abdo Benitez na sede do Banco Central em Assunção, em 2 de julho de 2020.

O Paraguai espera conter o impacto negativo da pandemia de covid-19 em sua economia este ano e prevê uma recuperação rápida a partir de 2021, informou o ministro das Finanças, Benigno López. 

"O Paraguai registra a menor queda da região e o FMI (Fundo Monetário Internacional) informa a probabilidade de um salto significativo de cerca de 5% do PIB em 2021", disse López em declarações à AFP. 

A expectativa de crescimento do Paraguai para 2020 era estimada em 4% em dezembro de 2019, mas a crise da saúde abalou esse número, que hoje é de uma contração de 3,5%. 

O presidente Mario Abdo Benítez destacou esta semana que "o Paraguai é a única economia da região que cresceu 2,9% em junho (em relação ao mesmo mês do ano anterior)". 

O Banco Central paraguaio informou que esse crescimento se deve principalmente à produção de soja, pecuária, alguns ramos industriais e da construção. 

De acordo com o Ministro da Fazenda, durante esses meses de pandemia, o Paraguai emitiu uma linha de crédito de 1,6 bilhão de dólares a partir de créditos nos mercados internacionais e por meio de organismos multilaterais. 

Com esses recursos "o sistema de saúde foi fortalecido, conseguimos atingir os setores mais vulneráveis. Conseguimos permitir e garantir o funcionamento do Estado e demos uma série de desonerações fiscais e sociais aos contribuintes", disse.

Em setembro, o governo paraguaio apresentou um projeto de orçamento para 2021 de 85,7 trilhões de guaranis (cerca de 12,1 bilhões de dólares), quase o mesmo que o aprovado para 2020. 

O governo está tentando fazer com que o Parlamento autorize um déficit fiscal de 4% do PIB, acima do máximo de 1,5% permitido pela lei atual.

hro/nn/mr/cc/mvv