Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.692,37
    +723,41 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Para membro do BCE, não há pressa de indicar futuro de estímulo

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Martins Kazaks, membro do Conselho do Banco Central Europeu, manda um recado aos investidores: não esperem um sinal da instituição sobre o futuro das compras de títulos da pandemia em setembro.

Com quase 600 bilhões de euros (US$ 713 bilhões) restantes para gastar pelo menos até o fim de março, prazo para o fim do programa, seria muito cedo para tomar uma decisão sobre estender ou descontinuar as compras, disse Kazaks em entrevista. Os casos de Covid-19 voltaram a subir em grande parte da região, ameaçando novas restrições que poderiam prejudicar a recuperação.

“Devido à incerteza, ao tempo restante, não há necessidade de decidir sobre isso”, disse Kazaks, que também é presidente do banco central da Letônia. “Vamos discutir isso, mas, no momento, ainda seria prematuro.”

Autoridades do BCE definiram a reunião de setembro - quando novas previsões estarão disponíveis - como uma sessão crucial para examinar a economia da zona do euro e as perspectivas e começar a debater o estímulo monetário pós-pandemia.

Kazaks recomendou paciência aos investidores quanto aos resultados sobre quando ou como o apoio emergencial será retirado. A próxima oportunidade para uma decisão sobre o assunto depois de setembro seria a reunião do BCE em 28 de outubro.

“É muito improvável que, no final de março de 2022, digamos: ‘é isso, fizemos nosso trabalho e o encerramos’”, disse Kazaks. “Gostaríamos de alertar os mercados com antecedência, mas apenas o quanto for razoavelmente possível.”

Os riscos para as perspectivas econômicas aumentaram recentemente. Empresas do setor de serviços estão particularmente preocupadas com o fato de que a propagação da variante delta, que é mais contagiosa, possa levar a novas restrições. A atividade no setor cresceu em ritmo mais lento do que o inicialmente divulgado em julho, segundo pesquisa com gerentes de compras.

Depois de uma revisão de 18 meses, o BCE está em processo de implementação de uma nova estratégia para elevar a inflação. No mês passado, a instituição se comprometeu a não elevar os juros até que a nova meta de 2% para a alta dos preços ao consumidor apareça de forma sustentável nas projeções do banco central, uma mudança de tom que, com base nas previsões atuais, adia ainda mais um aperto monetário.

A meta ligeiramente mais alta - anteriormente o BCE tinha como alvo inflação abaixo, mas próxima de 2% - e a orientação atualizada geraram expectativas entre economistas se a instituição iria intensificar o estímulo para alcançar o objetivo.

Kazaks sugeriu que, caso haja alguma mudança, esta será refletida no prazo, não no ritmo do apoio.

“Se demorar mais para que a inflação chegue a 2% de forma sustentável, então sim, isso significa que os aumentos virão mais tarde”, afirmou.

Ao mesmo tempo, o compromisso do BCE com as taxas ajudará os mercados financeiros a entender e prever melhor a política monetária futura, disse. “E é muito provável que a maior clareza possa de fato empurrar a inflação para 2% mais cedo e, assim, reduzir a necessidade de apoio de políticas.”

Kazaks rebateu críticas de outros membros do BCE, como Jens Weidmann e Pierre Wunsch, de que o compromisso da instituição com os juros cobre um período muito longo.

“Nosso forward guidance (orientação futura) atual sobre as taxas é uma visão equilibrada sobre como podemos reagir quando vemos a inflação se aproximando de 2%. Isso é atar muito nossas mãos e muito a longo prazo? Acho que não”, disse Kazaks. “Se acharmos que isso não é apropriado para a situação econômica, podemos ajustar nossa orientação futura.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos