Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    36.134,27
    -329,27 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Para enfrentar Apple Music, Amazon Music HD deixa de ter custo extra

·2 minuto de leitura
Para enfrentar Apple Music, Amazon Music HD deixa de ter custo extra
Para enfrentar Apple Music, Amazon Music HD deixa de ter custo extra

No mercado de streaming de música, as plataformas que possuem alta fidelidade de som costumam cobrar mais por isso. Quem deu o primeiro passo para romper com essa diferenciação de planos foi a Apple que, hoje, anunciou seu som “HD” sem custos adicionais. Tudo indica que a Amazon já estava prevendo este movimento, já que agora o Music também conta com qualidade Hi-Fi sem cobrança extra (lá fora).

Ainda não lançado no Brasil, o Amazon Music HD custava US$ 15 (R$ 78 em conversão direta hoje, 17/05) nos EUA para quem não era assinante Amazon Prime, e US$ 13 (R$ 68) para quem era. Agora, são US$ 10 (R$ 52) mensais para quem tem o serviço de frete grátis e outros, e US$ 8 (R$ 42) para quem possui. Nesta última configuração, o serviço Amazon Music HD — com música Hi-Fi — chega a custar menos que o Apple Music, que sai a US$ 10.

Assim como o Apple Music com músicas HD, o serviço permite música na chamada qualidade de CD, com qualidade de até 24 bits /192 kHz. Nesta configuração máxima a gigante do e-commerce estima que haja sete milhões de arquivos disponíveis no serviço. Em qualidade de 16-bits/44.1 kHz, o acervo chega a 70 milhões. Segundo o vice-presidente do Amazon Music, Steve Boom, “isto era algo desejado a bastante tempo”. Aparentemente a empresa estava com tudo engatilhado para promover as mudanças, mas acabou perdendo o timing de fazer isso antes da rival Apple.

Sem Amazon Music HD no Brasil, por enquanto

Uma vantagem do Amazon Music HD, agora, é já estar disponível em territórios selecionados. O Apple Music com qualidade Hi-Fi só chega a partir de junho. No Brasil, o serviço de Jeff Bezos conta com pelo menos quatro modalidades distintas de assinatura, começando pelo plano gratuito, que como o Spotify — que também terá um plano com som de alta fidelidade até o fim do ano — e diversos outros, permite ouvir música sem custos com algumas restrições.

Já no plano Prime o usuário conta com uma seleção de dois milhões de sons, sem custos para assinantes Amazon Prime. No pacote Unlimited o usuário tem acesso completo — por R$ 17 mensais. Para quem gosta de escutar música apenas nos dispositivos Echo Dot e Show, há o plano Echo, que por R$ 7 mensais dá acesso à toda a biblioteca, mas com esta restrição de dispositivos. Amazon Music HD, com música Hi-Fi, por enquanto está de fora.

Via 9to5Mac

Imagem: Inside Creative House/iStock

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos