Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.357,28
    +50,73 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5563
    +0,0507 (+0,92%)
     

Para economizar, brasileiros compram roupa por quilo; entenda

Roupas por quilo: calça jeans por quilo é muito mais barata do que as vendidas nas lojas (Getty Image)
Roupas por quilo: calça jeans por quilo é muito mais barata do que as vendidas nas lojas (Getty Image)
  • Roupas ficaram 16% mais caras nos últimos 12 meses;

  • Aumento no preço de itens do varejo diminuiu o poder de compra do brasileiro;

  • Comprar peças de vestuário por quilo é uma alternativa para gastar menos.

Algumas pessoas gostam de sair para comprar roupas novas. Para quem curte moda, olhar peça por peça em diferentes lojas para montar looks faz com que o suado dinheirinho conquistado todos os meses valha a pena.

Com a inflação alta e com o aumento no custo de vida, famílias com menor renda estão abrindo mão desse prazer. Em São Paulo, uma modalidade diferente de comercialização de vestiário tem chamado a atenção pelo preço ofertado.

A venda de roupa por quilo é uma alternativa para adquirir mais peças pagando menos. O famoso "quilinho" é inspirado na venda de comida por peso, uma moda que começou no Brasil em meados dos anos 1980, quando a inflação também era uma preocupação cotidiana.

Antes, o segmento tinha grande adesão nos setores infantil e de artigos de cama, mesa e banho. Mas, com as contas cada vez mais apertadas, a oferta também foi estendida a itens do varejo como calças jeans, jaquetas e moletons.

No período de um ano, as roupas ficaram, em média, quase 16% mais, superando a alta geral dos preços de 12% no mesmo período, de acordo com o IPCA-15, a prévia da inflação.

Uma apuração do R7 mostrou que, enquanto uma calça jeans no varejo tradicional pode custar R$ 100, duas peças de coleções antigas, na modalidade por quilo, podem sair por R$ 25. Já no caso de itens de moletom, o custo da compra por quilo pode ser apenas 25% do preço de etiqueta da peça numa loja comum.

Apesar de não ser o ideal e de sinalizar os efeitos do empobrecimento da população, a opção pode ser interessante para quem não tem dinheiro e ainda precisa adquirir novas roupas para ter o que vestir.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos