Mercado fechará em 5 h 7 min
  • BOVESPA

    109.950,59
    +1.462,71 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.737,07
    +218,77 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,57
    -0,71 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.853,40
    +11,30 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    30.259,88
    +313,24 (+1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,98
    +4,10 (+0,61%)
     
  • S&P500

    3.937,85
    +36,49 (+0,94%)
     
  • DOW JONES

    31.700,82
    +438,92 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.499,86
    +109,88 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.892,25
    +51,50 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1193
    -0,0335 (-0,65%)
     

Para desvendar o mistério do metano em Marte, cientistas apelam a “máquina do tempo”

·3 min de leitura
Para desvendar o mistério do metano em Marte, cientistas apelam a “máquina do tempo”
Para desvendar o mistério do metano em Marte, cientistas apelam a “máquina do tempo”

Entre as descobertas mais emocionantes do rover Curiosity, que está em operação em Marte desde 2012, estão as abundâncias periódicas e impressionantemente altas de metano na atmosfera do planeta. Essas e outras observações do rover já revelaram que Marte já foi um planeta potencialmente habitável.

Nos últimos sete anos, o Curiosity estabeleceu um sinal de fundo de metano de cerca de 0,41 parte por bilhão por volume (ppbv), e esses picos periódicos podem aumentar para até 21 ppbv.

Um novo estudo, publicado na revista Earth and Space Science, indica que esses picos de metano podem “ter profundas implicações para a geologia e a astrobiologia”.

A quantidade mínima de metano emitido de cada local de emissão putativa que pode produzir (a-c) Espigão 1 e (d-f) Espigão 2. Para cada local de emissão putativa, assume-se que um evento de emissão ocorre no momento exato em que o local tem a mais forte influência em uma medição de metano. As barras de cores esquerdas mostram a massa mínima de metano emitido, conforme exigido pela magnitude dos picos. As barras de cores da direita mostram o aumento da concentração média global de metano após a ocorrência de um dos menores eventos de emissão acima mencionados. Os contornos mostram a elevação da superfície. As estrelas em (a e d) marcam as posições de Curiosity. Imagem: Yangcheng Luo -Caltech
A quantidade mínima de metano emitido de cada local de emissão putativa que pode produzir (a-c) Espigão 1 e (d-f) Espigão 2. Para cada local de emissão putativa, assume-se que um evento de emissão ocorre no momento exato em que o local tem a mais forte influência em uma medição de metano. As barras de cores esquerdas mostram a massa mínima de metano emitido, conforme exigido pela magnitude dos picos. As barras de cores da direita mostram o aumento da concentração média global de metano após a ocorrência de um dos menores eventos de emissão acima mencionados. Os contornos mostram a elevação da superfície. As estrelas em (a e d) marcam as posições de Curiosity. Imagem: Yangcheng Luo -Caltech

Na Terra, quase todas as emissões de metano têm origens biológicas, desde a flatulência das vacas até a decomposição do material vegetal. Em Marte, o metano pode ser uma potencial bioassinatura, um traço químico produzido pela vida. No entanto, primeiro, os cientistas devem descartar as origens não biológicas do metano.

Leia mais:

Como funciona a “máquina do tempo” que estuda a origem do metano em Marte

Para investigar de onde as emissões de metano poderiam se originar, os pesquisadores utilizaram um método chamado “análise de retrotrajetória”. Sim, como se fosse uma “máquina do tempo”, a técnica envolve o uso de modelos baseados no que os cientistas já sabem sobre a atmosfera de Marte para rastrear informações “do passado” a partir do momento de sua medição.

Os pesquisadores estudaram todos os sete eventos de pico de metano que foram detectados até agora e usaram um modelo climático global existente de Marte para simular como o vento poderia transportar metano viajando ao redor do planeta.

Simulando a retrotrajetória de cada pico de metano com base nos padrões de vento de várias estações e épocas do dia, os autores do estudo descobriram que os picos provavelmente se originaram da mesma área geral: a parte noroeste da cratera Gale, uma grande cratera de impacto que os cientistas supõem que já comportou água líquida, onde o Curiosity está explorando atualmente.

No entanto, as detecções de metano do rover em Marte foram questionadas por especialistas. Por exemplo, o ExoMars Trace Gas Orbiter (TGO), que investiga o Planeta Vermelho desde o fim de 2016, não detectou a mesma abundância de metano na atmosfera que o Curiosity identificou observando da superfície.

Segundo os cientistas, pode haver um mecanismo geológico que rapidamente sequestre metano da atmosfera ou um mecanismo atmosférico prendendo-o perto da superfície.

Para esclarecer essa questão, novas pesquisas precisam ser feitas, para confirmar que onde o metano se origina, e o Curiosity deve continuar fazendo medições da abundância de metano ambiente para capturar mais eventos de pico do gás.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos