Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,85
    -0,50 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.794,20
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    53.621,62
    -2.262,82 (-4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.241,04
    -21,92 (-1,74%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.709,38
    +87,46 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.090,66
    +582,11 (+2,04%)
     
  • NASDAQ

    13.901,50
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7071
    +0,0051 (+0,08%)
     

Para conter Covid, Venezuela pede intervenção da ONU no Brasil: 'Catástrofe humanitária'

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
ARCHIVO - En esta fotografía del 22 de enero de 2021, el presidente venezolano Nicolás Maduro habla durante una ceremonia en Caracas. (AP Foto/Matias Delacroix, Archivo)
No documento, o governo de Maduro afirma que a "alarmante dinâmica epidemiológica" no país vizinho é "uma consequência da reiterada negligência criminosa" de Bolsonaro, a quem acusou de ser o "principal obstáculo" para salvar vidas no "pior momento da pandemia" (Foto: AP Foto/Matias Delacroix, Archivo)

O governo da Venezuela pediu, nesta quarta-feira (10), que a Organização das Nações Unidas (ONU) intervenha no Brasil para controlar o avanço da Covid-19. Segundo o governo de Nicolás Maduro, a gestão do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia coloca em risco sanitário os países da América do Sul.

"O Brasil registrou hoje um novo número recorde de mortes por dia pela Covid-19. Há quatro dias ratificamos ao secretário-geral da ONU, António Guterres, o que alertamos há nove meses: a ONU deve intervir para que o governo brasileiro assuma e controle a tragédia, e assim proteja toda a América do Sul", escreveu o ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreza, no Twitter.

Leia também:

No dia 6 de março, o ministro havia mandado uma carta dirigida a Guterres na qual o governo de Maduro solicita "urgentes gestões e bons ofícios" junto às autoridades do Brasil para que reconheça a gravidade da pandemia e coordene com os países vizinhos ações contra coronavírus.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

No documento, o governo de Maduro afirma que a "alarmante dinâmica epidemiológica" no país vizinho é "uma consequência da reiterada negligência criminosa" de Bolsonaro, a quem acusou de ser o "principal obstáculo" para salvar vidas no "pior momento da pandemia".

"O presidente Jair Bolsonaro e seu governo se tornaram o pior inimigo dos esforços nacionais, regionais e internacionais, incluindo aqueles em níveis bilateral e multilateral, para mitigar os efeitos devastadores da pandemia da covid-19 na região de América Latina e Caribe", diz trecho do texto. "[...] o Brasil está sendo levado a uma verdadeira catástrofe humanitária que põe em perigo [...] a estabilidade de nossa região".

Uma morte a cada 37 segundos

O Brasil registrou mais 2.286 mortes por Covid-19 — o maior aumento diário em toda a pandemia — nas últimas 24 horas, ultrapassando as 270 mil mortes nesta quarta-feira (10). Isso representa uma morte confirmada a cada 37 segundos.

O recorde era do dia anterior, terça-feira (9), quando 1.972 óbitos entraram na contagem. Com a atualização, ao todo, 270.656 brasileiros morreram em decorrência da infecção pelo coronavírus.