Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.993,53
    -1.476,57 (-3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Para combater abusos em seus sites Wikipedia apresenta novas regras globais

Rui Maciel
·3 minuto de leitura

A Fundação Wikimedia, entidade que opera as páginas do Wikipedia mundo afora, lançará nesta terça-feira (02) seu primeiro código de conduta global. O objetivo destas regras é responder críticas de que não conseguiu combater o assédio em seus sites, bem como a falta de diversidade entre os editores.

Em entrevista ao site da Reuters, Maria Sefidari, presidente do conselho de curadores da Fundação Wikimedia, afirmou:

“Precisamos ser muito mais inclusivos. Estamos perdendo muitas vozes, estamos perdendo mulheres, estamos perdendo grupos marginalizados”

Com as plataformas online sob intensa pressão para combater comportamentos abusivos, retórica violenta e outras formas de conteúdos problemáticos, muitas das empresas vêm revisando e renovando as regras de conteúdo, para aplicá-las de forma mais rigorosa. Ao contrário do Facebook e Twitter, que adotam abordagens mais de cima para baixo para moderação de conteúdo, a Wikipedia, que completou 20 anos em dezembro último, depende amplamente de voluntários não pagos para lidar com questões relacionadas ao comportamento dos usuários.

Atualmente, a Fundação Wikimedia afirma contar com mais de 1.500 voluntários na Wikipedia, espalhados em cinco continentes e 30 idiomas. Eles participaram da criação das novas regras depois que o conselho de curadores votou em maio do ano passado para desenvolver novos padrões vinculativos.

“Estamos em um processo de mudança em todas as comunidades. Demoramos para construir o apoio necessário para fazer as consultas para que as pessoas entendessem por que isso é uma prioridade", declarou Katherine Maher, diretora executiva da Fundação Wikimedia, também em entrevista à Reuters.

O que traz o novo código de conduta?

O novo código de conduta da Fundação Wikimedia proíbe o assédio dentro e fora do site, impedindo comportamentos como discurso de ódio, calúnias, estereótipos ou ataques com base em características pessoais. O texto também pune casos de ameaças de violência física e 'perseguição', ou seja, de seguir alguém em diferentes artigos para criticar seu trabalho. As novas regras para o Wikipedia também passam a proibir a introdução deliberada de informações falsas ou tendenciosas no conteúdo.

Maher afirmou que as preocupações de alguns usuários de que as novas regras significassem que o site estava se tornando mais centralizado eram infundadas.

"A Wikipedia tem 230 mil editores voluntários que trabalham em artigos de crowdsourcing e mais de 3.500 'administradores' que podem realizar ações como bloquear contas ou restringir edições em certas páginas. Às vezes, as reclamações são decididas por painéis de usuários eleitos pelas comunidades".

Próximos passos

Com as regras criadas, a Fundação Wikimedia afirmou que a próxima fase do projeto será trabalhar na aplicação e na fiscalização das regras. Maher disse que haveria treinamento para as comunidades e grupos de trabalho interessados ​​de usuários.

“Um código de conduta sem fiscalização não será útil. Vamos resolver isso com as comunidades”

A Wikimedia afirma ainda que não tem planos imediatos para reforçar sua pequena equipe de 'confiança e segurança', um grupo de cerca de uma dúzia de funcionários que, neste momento, atua em questões urgentes, como ameaças de morte ou compartilhamento de informações privadas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: