Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    59.951,71
    -1.449,54 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Para Cade, fusão entre companhias aéreas aumentou número de passagens sem elevar preço

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou um estudo nesta terça-feira em que aponta que a compra da Webjet pela Gol e a fusão entre a Azul e a Trip no início da década passada levaram a um aumento de assentos vendidos nas rotas em que as empresas atendiam sem elevar o preço das passagens.

No caso da compra da Webjet pela Gol, que foi anunciada em 2011 e liberada pelo Cade em outubro de 2012, o número de assentos vendidos nas rotas em que as duas empresas atuavam subiu 38% após a operação. Já as tarifas para essas mesmas rotas caíram 8%.

Já no caso da fusão entre Azul e Trip, notificada em junho de 2012 e aprovada em março de 2013, o crescimento do número de assentos vendidos nas rotas em que as operações das empresas eram sobrepostas subiu 27%, enquanto não houve efeito significativo nas tarifas.

O estudo considerou tarifas e assentos vendidos entre julho de 2010 e dezembro de 2019.

O documento produzido pelo Departamento de Estudos Econômicos do Cade aponta que não houve efeitos anticompetitivos derivados das duas operações, mesmo com a redução de players no mercado.

“Assim, é possível afirmar que o Cade cumpriu seu propósito de proteger a concorrência em benefício dos consumidores. Por fim, deve-se considerar que essas são operações específicas, em um período particular, o que não indica que esses resultados devem ser encontrados em qualquer operação no mercado de aviação civil”, aponta o estudo.

O documento também ressaltou que as operações foram aprovadas com ressalvas pelo Cade, principalmente para proteger a competição no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Segundo a análise, a determinação de que a utilização dos “slots” do aeroporto fossem usadas com eficiência garantiu o bom funcionamento do mercado.

“Podemos concluir que as condições impostas podem não apenas ajudar a manter o nível de competição no aeroporto que levantou preocupações, mas também estimular a competição, reduzindo tarifas e aumentando o número de assentos vendidos”, diz a análise.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos