Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,87
    +0,10 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.853,90
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    32.473,25
    -973,99 (-2,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,79
    -23,11 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.469,00
    -6,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6379
    -0,0141 (-0,21%)
     

Para ajudar restaurantes na pandemia, prefeituras em Portugal lançam delivery grátis

GIULIANA MIRANDA
·1 minuto de leitura

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - Por conta do aumento recente de casos de Covid-19, Portugal implementou, na maior parte do país, um toque de recolher especialmente restritivo nos fins de semana –das 13h às 5h–, impactando diretamente o faturamento dos restaurantes. Para tentar ajudar o setor, diversas câmaras municipais (equivalentes às prefeituras no Brasil) criaram sistemas próprios de delivery, sem custos para os clientes e nem para os restaurantes. Viseu, Matosinhos, Famalicão, Vizela, Nelas, Condeixa e Loures são alguns do municípios que adotaram a iniciativa. O objetivo do projeto é apoiar principalmente os pequenos comerciantes, para quem as taxas cobradas pelos grandes aplicativos de entrega não tornavam esse tipo de operação viável. Do lado dos consumidores, há a vantagem de pagar o preço normal das refeições, sem valor adicional pelo serviço de delivery. Quase todas as autarquias optaram por contratar táxis para realizar entregas em domicílio. Dessa forma, os governos municipais apoiam simultaneamente também os taxistas, que também acabam ficando sem clientes devido ao toque de recolher dos sábados e domingos. Ainda assim, os prejuízos para os restaurantes, impedidos de receberem clientes para almoço e jantar aos sábados e domingos, têm sido pesados. Até esta terça-feira (24), Portugal registrou 268.721 casos do novo coronavírus, com 4.056 mortes.