Mercado abrirá em 9 h 39 min
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,30
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.744,60
    +4,30 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    16.263,82
    +129,27 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,68
    +2,39 (+0,63%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.709,63
    +411,69 (+2,38%)
     
  • NIKKEI

    28.028,37
    -134,46 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.638,00
    +21,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5557
    +0,0065 (+0,12%)
     

Para 70% dos jovens, home office prejudica suas carreiras

Jovens reunidos mexendo no celular
Pesquisa focou nos profissionais da Geração Z, que têm entre 16 e 24 anos
  • Pesquisa realizada pelo LinkedIn mostrou que 70% dos jovens desaprovam o home office

  • Falta de contato e aprendizado com colegas mais experientes estão entre os principais motivos

  • Para 72% dos entrevistados, a pandemia prejudicou o aprendizado das 'soft skills'

Uma pesquisa realizada pelo LinkedIn mostrou que 70% dos entrevistados acreditam que o trabalho em home office pode impactar negativamente seu crescimento profissional. Dentre os principais motivos, está a falta de contato presencial com colegas experientes, seguida pela dificuldade de aprender com eles à distância.

Leia também:

O levantamento focou na Geração Z, correspondente aos jovens entre 16 e 24 anos, e avaliou as perspectivas deles sobre o futuro do trabalho e impacto da pandemia nas carreiras. As informações são de Soraia Alves, da B9.

Até o momento, 72% dos profissionais disseram já sentir prejuízos no que diz respeito ao aprendizado das chamadas “soft skills”, as habilidades comportamentais. Para eles, dentre as mais importantes, estão: comunicação (62%), inteligência emocional (48%), aprendizado contínuo (30%), resolução de problemas (30%) e adaptabilidade (28%).

Apesar do desagrado com o home office por parte da maioria, 38% dos entrevistados preferem o modelo híbrido de trabalho, que mistura dias de trabalho em casa com dias de trabalho no escritório. Outros 27% discordaram de ambos os casos, e afirmaram preferir o modelo totalmente remoto.