Mercado fechará em 2 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    123.246,55
    +730,80 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.358,35
    +488,87 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,49
    -0,77 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.813,70
    -8,50 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    38.037,84
    -1.699,82 (-4,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    926,95
    -16,49 (-1,75%)
     
  • S&P500

    4.413,83
    +26,67 (+0,61%)
     
  • DOW JONES

    35.050,08
    +211,92 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.018,75
    +66,00 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1969
    +0,0528 (+0,86%)
     

Para 40% dos gestores de empresas, diversidade é perda de tempo

·1 minuto de leitura
Cheerful business team having morning briefing in office, sharing creative ideas, close up
Entre os entrevistados, 16% contam que nem eles nem os colegas têm tratamento respeitoso
  • Pesquisa mostra que 39% dos líderes creem que diversidade é perda de tempo

  • Entre os funcionários, 34% também pensam assim

  • Quase 50% dos entrevistados sofreram discriminação, assédio, abuso e até pequenas agressões na empresa

O debate sobre a importância da diversidade - como a de gênero, raça e religião - tem crescido em todos os âmbitos da sociedade. Entretanto, 39% dos gestores acreditam que assuntos como inclusão e empoderamento são perda de tempo e dinheiro, segundo um levantamento feito pela United Minds, consultoria de RH (Recursos Humanos). As informações são do site Consumidor Moderno.

Leia também:

Entre os funcionários, essa percepção não é muito menor. Para 34%, os temas são perda de tempo e não ajudam nos negócios. 

Em contrapartida, para 71% dos entrevistados, faz a diferença trabalhar em uma companhia que leve a diversidade em conta e aplique programas de inclusão.

Ambientes não acolhedores

Cerca de 16% dos funcionários ouvidos contam que nem eles nem os colegas recebem tratamento respeitoso. 

A pesquisa também mostra que quase 50% dos entrevistados sofreram discriminação, assédio, abuso e até pequenas agressões na empresa. Entre as testemunhas e as vítimas, um em cada quatro procuram outro trabalho para o ano que vem.

Apesar disso, 56% veem uma mudança na situação e dizem que atos e falas discriminatórias, racistas e machistas não mais aceitas nos lugares ondem trabalham.

A pesquisa foi feita no Canadá, Reino Unido e Estados Unidos, mas, segundo o vice-presidente da United Minds na América Latina, Rodolfo Araújo, as realidades não são tão diferentes da do Brasil, nesse sentido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos