Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.986,39
    -1.851,25 (-2,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Par de luvas de Michael Jackson pagará por doses de vacina na Guiné Equatorial

·1 minuto de leitura
Foto: Reprodução da internet.
Foto: Reprodução da internet.
  • Luvas que pertenceram a Michael Jackson serão vendidas e quantia será revertida em vacinas;

  • Acessório faz parte de um acervo avaliado em R$ 143 milhões e que pertencia ao vice-presidente da Guiné Equatorial;

  • O valor da outra parte dos bens será direcionado à compra e distribuição de remédios e provimentos médicos.

Após mais de dez anos de sua morte, Michael Jackson continua sendo uma das figuras mais presentes no imaginário popular de todo o mundo. É a partir dessa forte imagem que, em tempos de pandemia, o rei do pop ajudará, indiretamente, na campanha de vacinação contra a covid-19 na Guiné Equatorial, na África Central.

Um par de luvas do cantor foi apossado de uma coleção particular de Teodorin Nguema Obiang Mangue, vice-presidente do país.

Leia também:

O acessório luxuoso, revestido de joias, foi avaliado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos em US$ 275.000, o equivalente a R$ 1,4 milhão.

Outros bens foram confiscados do vice-presidente da Guiné Equatorial, como joias e veículos, somando um total de US$ 27 milhões, ou seja, R$ 143 milhões. 

Mangue foi acusado de adquirir o acervo com ativos ilícitos. Portanto, a venda dos bens faz parte do acordo de confisco realizado entre o vice-presidente e os Estados Unidos em 2014.

O acervo completo será vendido, tendo parte do montante arrecadado direcionado à compra e distribuição de doses de vacina na Guiné Equatorial, enquanto o resto será destinado à compra e distribuição de remédios e provimentos médicos.

As informações são do Exame.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos