Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.942,28
    +45,69 (+0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Papa pede que vacinas contra o coronavírus sejam acessíveis para todos

Handout
·2 minutos de leitura
Foto divulgada pela mídia do Vaticano mostra o Papa Francisco em audiência privada no Vaticano

Papa pede que vacinas contra o coronavírus não sejam reservadas para os mais ricos

Foto divulgada pela mídia do Vaticano mostra o Papa Francisco em audiência privada no Vaticano

O papa Francisco pediu, nesta quarta-feira (19), que as futuras vacinas contra o coronavírus não se destinem primeiro "aos mais ricos", em um momento em que a pandemia não para de aumentar as desigualdades no mundo.

A futura vacina deve se dirigir aos que mais precisam, disse Francisco em sua audiência das quartas-feiras, transmitida ao vivo de sua biblioteca privada no Vaticano, a fim de evitar as concentrações de fiéis na Praça de São Pedro.

"Seria triste se a prioridade da vacina da COVID-19 fosse dada aos mais ricos. Seria triste se isso se transformasse na prioridade de uma nação e não fosse destinado a todos", continuou o papa.

"E que escândalo seria se toda a ajuda econômica, grande parte dela procedente dos cofres públicos, fosse usada para salvar as empresas que não contribuem para a inclusão em vez do bem comum e da preservação da Criação", disse.

"A pandemia é uma crise e de uma crise não saímos iguais: ou saímos melhores ou saímos piores. Deveríamos sair melhores, para melhorar a injustiça social e a degradação do meio ambiente", acrescentou.

Segundo Francisco, a "pandemia expôs a difícil situação dos pobres e a grande desigualdade que reina no mundo".

"O vírus não tem exceções e encontrou grandes desigualdades e discriminações em seu caminho devastador e as fez crescer", lamentou o papa.

Para Francisco, a batalha atual deve ser travada em duas frentes: "Por um lado, é preciso encontrar um remédio para este vírus minúsculo mas terrível que colocou o mundo de joelhos. Por outro, temos que nos curar de um vírus muito grande, o da injustiça social, da desigualdade, da marginalização e da falta de proteção para os mais fracos".

"É preciso mudar o mundo", insistiu, destacando que a economia deve focar nas pessoas, principalmente as mais pobres.

Francisco, que viu de perto a pobreza e a crise econômica de seu país, criticou em várias ocasiões o liberalismo econômico que trata os trabalhadores como "lixo".

"A opção preferencial pelos pobres está no centro do Evangelho", lembrou o papa, acrescentando que não se deve levar em consideração nenhuma preferência política ou ideológica. 

Nesta corrida para encontrar o tratamento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) também alertou que é preciso evitar o "nacionalismo das vacinas".

Várias vacinas estão em fase de testes atualmente para imunizar as pessoas contra a COVID-19, doença que já matou mais de 774.000 pessoas no mundo desde dezembro.

cm/glr/at/bl/zm/aa