Mercado abrirá em 6 h 27 min

Paola Carosella discute com seguidores após criticar Bolsonaro

Foto: Reprodução/Instagram (@paolacarosella)

Paola Carosella já está acostumada a falar mal do presidente Jair Bolsonaro em suas redes sociais. Nesta quarta-feira (25), porém, a jurada do ‘Masterchef’ foi atacada após criticar o pronunciamento do presidente. Tudo começou quando ela escreveu no Twitter: “Fora, miliciano genocida. Fora”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Um seguidor se irritou e lembrou que Paola não nasceu no Brasil ao escrever um comentário. "Amada, fica calada. Nem brasileira você é. Te admiro pelo teu trabalho, mas nem sei onde você vota. Aqui temos um livrinho chamado Constituição", disse ele.

A chef de cozinha, que nasceu na Argentina, não levou o desaforo para casa. “Amado, fica calada a tua bunda. Precisa ler esse livrinho mais vezes, então”, rebateu.

Leia também:

O internauta não foi o único que entrou na briga. Um homem disse que os posts de Paola desrespeitam os brasileiros que elegeram Bolsonaro e os que a acolheram como brasileira. Paola respondeu que o desrespeito vem do presidente e não dela.

“Se tem alguém que está faltando o respeito ao Brasil, não sou eu. Te juro. Tem um cara lá, o tal do atleta, esse está fazendo um estrago e tanto”, afirmou ela.

Assim como Carosella, muitos famosos criticaram o presidente em suas redes sociais. Danilo Gentili, que sempre apoiou Bolsonaro, usou o seu Twitter para dizer que mudou de opinião sobre o político.

“Um presidente que num momento de crise faz um pronunciamento oficial em cadeia nacional para falar sobre ele e não sobre o seu povo não merece a cadeira que pediu pra gente”, publicou o humorista.

Em seu discurso, Bolsonaro chamou o novo coronavírus de “gripezinha”, ironizou a imprensa, voltou a atacar governantes e defendeu o fim do “confinamento em massa” durante a pandemia.