Mercado fechado

Pão na chapa com cafezinho chega a custar R$ 16 em SP e RJ

·3 min de leitura
Pingado and break and butter, Brazilian version of the Latte Macchiato (café com leite), it is a very popular everyday breakfast beverage, eaten with bread and butter, different from the Italian traditional Latte, it is prepared with hot milk, and coffee maker coffee, instead of whipped milk, and espresso, and it is served on a glass.
Pão na chapa chega a custar R$ 9 e café expresso atinge R$ 10

(Getty Images)

  • Pão na chapa com café expresso chega a custar R$ 16;

  • Mínimo gasto na combinação é de R$ 7,95. Ou seja: variação de 100% nos preços;

  • Em SP, abandonar o expresso pode gerar economia de R$ 1.330 no ano.

Quem não abre mão de um pão na chapa com café expresso pode ter que repensar se vale a pena consumi-los. Em estabelecimentos de São Paulo ou Rio de Janeiro, o gasto com a clássica combinação chega a R$ 16, sendo que o valor mínimo encontrado foi de R$ 7,95. Ou seja: de um lugar para o outro, o consumidor pode pagar o dobro.

As informações são da Pesquisa da Proteste Associação de Consumidores, antecipada ao g1. Mais de 80 cafeterias, confeitarias, delicatessen, lanchonetes e padarias foram analisadas entre 18 e 28 de fevereiro, e os resultados mostram uma variação enorme entre o preço dos produtos nos estabelecimentos. Veja:

  • Em São Paulo

Produto

Valor mínimo

Valor máximo

Variação

Café expresso

R$ 4,50

R$ 10,00

122%

Pão na chapa

R$ 3,25

R$ 9,00

177%

Expresso + pão na chapa

R$ 7,95

R$ 15,50

-

  • No Rio de Janeiro

Produto

Valor mínimo

Valor máximo

Variação

Café expresso

R$ 5,00

R$ 8,00

60%

Pão na chapa

R$ 3,00

R$ 9,00

200%

Expresso + pão na chapa

R$ 8,00

R$ 16,00

-

Apesar de lojas gourmet serem tradicionalmente mais caras, a pesquisa mostra que a variação de preços é encontrada até mesmo no mesmo bairro e na mesma rua. Por exemplo: no Rio de Janeiro, havia uma diferença de R$ 4,80 na combinação de pão na chapa com café expresso entre uma loja que fica a 9 minutos da outra.

Economia ultrapassa R$ 1 mil

Supondo que um consumidor gaste, todos os dias, com um café expresso e decida abandonar o hábito, é possível gerar uma economia de mais de R$ 1.300 ao ano, levando em conta a diferença de R$ 5,50 entre os valores mínimos e máximos do expresso na cidade de São Paulo (R$ 4,50 e R$ 10, respectivamente).

"No caso desta pessoa beber um café por dia útil, considerando que o mês tenha 22 dias uteis, a economia seria de R$ 121 no mês e, projetando para 11 meses (tirando um mês de férias), ela economizaria R$ 1.331 no ano", observa a Proteste.

Se abandonar o cafezinho não é uma opção, Henrique Lian, diretor da Proteste, aponta mais um caminho: “O levantamento de preços mostrou que a discrepância, dentro de uma mesma cidade e entre estabelecimentos semelhantes, é exorbitante. O café da manhã, seja do carioca ou do paulistano, pode pesar muito no bolso e a recomendação é a mesma de sempre, mas que nunca falha: pesquisar”, aconselha.

Pão é encontrado a R$ 20 no Rio de Janeiro

O preço do pão, no geral, já está mais alto para quem vive na ‘Cidade Maravilhosa’. Devido à guerra entre Rússia e Ucrânia, o trigo atingiu o maior patamar desde 2008 e o quilo pão francês chega a custar entre R$ 15 e R$ 20 em estabelecimentos na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e na Zona Sul da cidade. Segundo o professor do Ibmec, Gilberto Braga, antes do conflito, o preço do produto girava em torno de R$ 12,00 o quilo.

A Rússia é o maior exportador de trigo do mundo e tem sido afetada economicamente pelo conflito com a Ucrânia. Juntos, os dois países respondem por cerca de 30% das exportações mundiais de trigo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos