Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.963,65
    -9,41 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Panetta, do BCE, adverte contra apertar demais a política monetária

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu deve continuar elevando os juros, mas precisa evitar o aperto excessivo, pois isso pode destruir a capacidade produtiva e aprofundar uma desaceleração econômica, disse o membro do Conselho do BCE Fabio Panetta nesta segunda-feira.

O BCE elevou os juros em 200 pontos-base combinados desde julho, seu ritmo mais rápido de aperto da política monetária já registrado, e as precificações de mercado sugerem que o banco está em pouco mais da metade de seu caminho de altas, com o próximo movimento devendo ser um aumento de 50 ou 75 pontos-base em dezembro.

"Se comprimíssemos a demanda de forma excessiva e persistente, correríamos o risco de também empurrar a produção permanentemente abaixo da tendência", disse Panetta em discurso em Florença.

"Enquanto as expectativas de inflação permanecerem ancoradas, a política monetária deve se ajustar, mas não exagerar", disse ele. "A incerteza em torno da dinâmica de oferta e demanda exige que permaneçamos prudentes em relação a até onde o ajuste precisa ir."

Enquanto as autoridades argumentam que as expectativas de inflação estão em grande parte "ancoradas" perto da meta de 2% do BCE, um indicador-chave de longo prazo baseado no mercado é de 2,36%, enquanto a última previsão da Comissão Europeia coloca a inflação de 2024 em 2,6%, indicando riscos de alta.

Panetta também alertou contra aumentos rápidos demais, pois a ação do BCE precisa de tempo para percorrer a economia e as altas de juros já estão a caminho de deduzir um ponto percentual do crescimento do PIB a cada ano até 2024.

Em uma notável concessão às autoridades a favor de uma política monetária mais apertada, Panetta argumentou que o aperto poderá até chegar a um nível em que o BCE restringirá o crescimento, mas isso precisa de uma justificativa sólida.

(Reportagem de Balazs Koranyi)