Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.390,44
    +27,95 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

‘Pandexit’ é próximo grande desafio da recuperação, diz BIS

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os bancos centrais e governos foram rápidos em apoiar a economia mundial com a chegada da pandemia de Covid-19. Segundo o Banco de Compensações Internacionais, o maior desafio será retirar o apoio sem precedentes implementado.

Com a recuperação das economias, as autoridades precisarão adotar medidas fiscais mais direcionadas para preservar o espaço das políticas, disse a instituição com sede em Basileia em relatório anual divulgado na terça-feira, juntamente com um discurso intitulado “Bancos Centrais Enfrentam os Desafios do Pandexit”.

À luz da aceleração das pressões sobre os preços ao consumidor - que provavelmente são temporárias -, as autoridades também precisarão encontrar um equilíbrio entre assegurar aos mercados que estão dispostas a apoiar o crescimento e preparadas para combater a inflação.

“A política monetária terá que ser flexível e prudente”, disse no discurso Agustín Carstens, gerente-geral do BIS e ex-presidente do banco central mexicano. “Políticas acomodativas ainda são necessárias, embora a recuperação possa ser rápida. A comunicação cuidadosa será muito importante para facilitar a viagem.”

Bancos centrais ao redor do mundo começam a frear a generosidade dos últimos 16 meses com a consolidação da retomada, embora de forma desigual. O Federal Reserve pouco a pouco se aproxima do momento de reduzir o estímulo, enquanto bancos centrais no Reino Unido, Canadá, Noruega, Suécia, Coreia do Sul e Nova Zelândia estão entre os que traçam um caminho para a retirada. México, Hungria e República Tcheca elevaram as taxas de juros na semana passada, após aumentos no Brasil, Turquia e Rússia este ano.

Com um histórico de instar formuladores de políticas a controlarem os crescentes preços dos ativos, o BIS destacou que os preços dos imóveis subiram mais do que os fundamentos sugerem durante a pandemia, o que torna o setor mais vulnerável caso os juros aumentem.

O BIS destacou outros desafios, tanto de curto quanto de longo prazo, como a maior insolvência corporativa e a necessidade de reguladores garantirem que os bancos continuem emprestando para empresas sem assumir muitos riscos.

A mudança dos padrões de demanda, à medida que mais pessoas optam por trabalhar em casa permanentemente, e o ajuste da política de orientação para que investidores não foquem apenas em eventos diários apresentarão mais desafios, segundo o BIS.

Para se preparar para crises futuras, as autoridades precisarão recuperar sua margem de manobra nas políticas fiscal e monetária. A pressão crescente sobre os bancos centrais para manter as taxas de juros baixas e ajudar governos a administrarem as finanças pode complicar essa tarefa, de acordo com o BIS.

Se as taxas de juros voltarem aos níveis da década de 1990, os custos do serviço da dívida podem superar as máximas dos tempos de guerra, disse o relatório.

“As tarefas de longo prazo se concentram na reconstrução das margens de segurança e nas interações entre as políticas monetária e fiscal”, disse Carstens. “É essencial colocar as finanças públicas em um caminho sustentável e preservar a independência dos bancos centrais.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos