Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.714,33
    -1.674,77 (-4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Pandemia poderá gerar mais de 200 milhões de desempregados até 2022

·1 minuto de leitura
Pandemia poderá gerar mais de 200 milhões de desempregados até 2022

Um levantamento feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que os impactos causados pela pandemia da Covid-19 no mercado de trabalho poderá gerar mais de 200 milhões de desempregados até 2022.

Leia também:

De acordo com o estudo, a geração de emprego será insuficiente para cobrir todas as perdas sofridas até 2023 e que, até lá, haverá dificuldades para a erradicação da pobreza, além de um impacto direto na vida das mulheres que, muitas vezes, precisam fazer jornada dupla.

O relatório "Emprego Global e Panorama Social: Tendências em 2021" também estima que a falta de empregos, causada pela crise global, chegará a 75 milhões em 2021, antes de cair para 23 milhões em 2022.

Sobre o desemprego em âmbito global, o relatório afirma que 205 milhões de pessoas estarão sem trabalho em 2022, uma taxa que corresponde a 5,7%, observada pela última vez em 2013. Esse índice ainda ultrapassa o nível de 187 milhões em 2019, que já era considerado alto.

Neste primeiro semestre de 2021, as regiões mais afetadas pelo desemprego foram a América Latina e Caribe, Europa e Ásia Central, onde as perdas estimadas em horas de trabalho ultrapassaram 8% no primeiro trimestre e 6% no segundo trimestre.