Mercado fechará em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    118.339,74
    +959,25 (+0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.638,08
    -488,43 (-1,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,61
    -0,16 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.851,90
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    31.508,47
    -2.856,03 (-8,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    634,16
    -13,17 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.855,58
    +0,22 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    30.978,62
    +18,62 (+0,06%)
     
  • FTSE

    6.651,13
    +12,28 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.495,00
    +19,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5141
    -0,1221 (-1,84%)
     

Pandemia pode gerar mudanças positivas na América Latina, diz FMI

·3 minuto de leitura
(Arquivo) UTI para pacientes com covid-19 no Hospital Gilberto Novaes em Manaus

O diretor para as Américas do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, disse à AFP que a pandemia de coronavírus que atingiu a América Latina pode - com as medidas corretas - ser uma oportunidade de mudanças positivas em uma região que precisa, imperativamente melhorar em matéria de igualdade.

Werner destacou que, em meio a uma difícil situação econômica com forte diminuição do comércio, os países latino-americanos foram capazes de evitar crises financeiras e fiscais.

Pergunta: Existem soluções que sejam aplicáveis de forma generalizada pelos países da América Latina que permitam pensar em uma recuperação e evitar uma "década perdida"?

Resposta: Acredito que os principais ingredientes de sucesso para evitar uma "década perdida" são, primeiro, que haja medidas para manter a estabilidade macroeconômica.

Segundo, os países da América Latina tomaram medidas excepcionais que ajudaram a evitar uma crise maior. Este apoio (à economia) tem que continuar para cobrir a brecha até que a pandemia esteja sob controle.

E o terceiro são as medidas para retomar um crescimento potencial e inclusivo. Esta agenda não é nova para a região, mas se tornou mais urgente.

P: Alguns países se encontram prestes a implementar reformas estruturais importantes: em quais aspectos da economia regional os governos devem se concentrar?

R: Creio que os temas de igualdade social passaram para um primeiro plano, inclusive antes da pandemia, mesmo em países com instituições relativamente sólidas como Chile, e agora são uma necessidade absolutamente urgente que precisa que ser resolvida para que a região avance com outras prioridades.

A América Latina continua sendo a região mais desigual do mundo, apesar do progresso na redução da desigualdade nas últimas décadas.

A pandemia exacerbou a desigualdade de renda e das oportunidades por seu impacto desproporcional nos trabalhadores pouco qualificados, nas mulheres, juventude e aqueles que já estavam vivendo às margens da sociedade.

A pobreza também está aumentando. As análises preliminares sugerem que, sem políticas de ajuda, Argentina, Brasil, Colômbia e México teriam registrado um aumento da pobreza de 30 milhões de pessoas.

No entanto, as decisivas ações tomadas pelos responsáveis pelas políticas reduziram este número para cerca da metade.

P: Em longo prazo, como os governos da América Latina podem combater a desigualdade?

R: Antes de mais nada, [devem] investir nas pessoas para fazer com que a economia seja mais resiliente. E isso implica acesso à saúde - incluindo uma distribuição rápida e justa da vacina -, à educação, à formação e às tecnologias digitais.

A segunda coisa é investir na inclusão financeira. É vital garantir o acesso às finanças, especialmente para as mulheres. E o terceiro é uma reforma fiscal para fazer um sistema (tributário) mais progressivo e fortalecer o cumprimento fiscal, com uma rede de segurança social que precisa ser expandida de forma seletiva.

P: Está otimista sobre os anos "pós-pandemia"?

R: A crise pode se transformar no gatilho de mudanças que antes eram difíceis de implementar.

À medida em que nos recuperarmos da crise da covid-19, os governos poderão tomar medidas para que esta recuperação beneficie as gerações atuais e futuras, ao torná-la mais inclusiva, sustentável e amigável com o meio ambiente.

Este último fator é particularmente importante, se quisermos evitar um custo humano e econômico potencialmente catastrófico de um aumento dos níveis do mar, um aumento das temperaturas, uma mudança dos padrões das chuvas e grandes perdas de produção.

Estou otimista, porque todos os países da região levam esta questão muito a sério.

an-mr/gma/aa/tt