Mercado abrirá em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,01
    -0,34 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.786,50
    -6,60 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    53.975,25
    -1.527,19 (-2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.255,33
    -7,63 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.898,44
    +3,15 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.901,50
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6444
    -0,0576 (-0,86%)
     

Pandemia: ONU pede alívio da dívida dos países pobres

·1 minuto de leitura
O presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador (D) ouve o discurso do secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres (na tela), durante a cerimônia de abertura do Fórum de Igualdade de Geração para a igualdade de gênero no Palácio Nacional na Cidade do México em 29 de março de 2021

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira (29) à comunidade internacional que implemente "um novo mecanismo" para aliviar a dívida dos países mais pobres, enfraquecidos pela pandemia.

Guterres lançou "um apelo por ações urgentes", no contexto da "pior recessão desde a Grande Depressão", em uma conferência sobre financiamento para o desenvolvimento organizada na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Os países do G20 - grupo que inclui nações ricas e em desenvolvimento - gastaram cerca de 16 trilhões de dólares para impulsionar suas economias, mas muitas nações com menos recursos não podem fazer o mesmo, lamentou Guterres. “Alívios adicionais e oportunos da dívida para países vulneráveis, incluindo países de renda média, serão definitivamente necessários”, assinalou.

O mecanismo do G20 para a suspensão da dívida, que expira no fim de junho, deve ser prorrogado até 2022 e ser proposto aos países de renda média que dele necessitem, solicitou o chefe da ONU.

"Estamos à beira de uma crise da dívida", alertou o secretário-geral da ONU, observando que "um terço das economias emergentes estão expostas a um alto risco de crise orçamentária" e há seis países inadimplentes, incluindo Zâmbia e Líbano pela primeira vez em sua história.

ast-jl/vgr/mr/dga/jc/lb