Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.227,09
    +94,56 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.412,47
    +211,88 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,04
    -0,67 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.816,60
    +5,40 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    17.346,72
    +272,35 (+1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    339,97
    -30,55 (-8,24%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.362,93
    -28,16 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.545,14
    +7,83 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.159,00
    +6,75 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3419
    +0,0020 (+0,03%)
     

Pandemia leva Renault a ter prejuízo de 7,39 bi de euros no 1º semestre

Raquel Brandão
·1 minuto de leitura

As vendas da montadora no Brasil, sexto maior mercado para empresa, tiveram uma queda de 47% no período Jacques Brinon / Associated Press A montadora francesa Renault reverteu o lucro de 1,05 bilhão de euros do primeiro semestre de 2019 para um prejuízo de 7,39 bilhões de euros em igual período de 2020. A companhia viu sua receita cair 34% de um ano para o outro, para 18,42 bilhões de euros, com queda de 34,9% nas unidades vendidas em todo o mundo, para 1,26 milhão de veículos. No Brasil, sexto maior mercado em número de vendas da companhia, as vendas caíram 46,9% (acima da contração de 39% de todo o mercado automobilístico no país), para 59,9 mil veículos vendidos e a participação de mercado recuou 1,2 ponto percentual para 7,9%. A empresa diz que a receita total do setor automotivo, excluindo as receitas da Avtovaz, foi de 15,73 bilhões de euros, uma queda de 36,6% em relação ao primeiro semestre de 2019. Essa redução se deve principalmente à queda no volume de vendas de 29,6 pontos percentuais e de 7,3 pontos percentuais nas vendas a parceiros. A crise sanitária da covid-19 foi a principal razão desses dois impactos, segundo a empresa. O efeito cambial também pesou, resultando em um impacto negativo em 1,5 ponto percentual, principalmente relacionado à desvalorização do peso argentino, do real brasileiro e da lira turca.