Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,85
    -0,46 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    32.715,54
    -786,55 (-2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    645,96
    -54,65 (-7,80%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.744,45
    +4,06 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.345,50
    +51,25 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4129
    +0,0049 (+0,08%)
     

Pandemia leva Petrobras a prejuízo de R$ 2,7 bilhões no segundo trimestre

NICOLA PAMPLONA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras registrou prejuízo de R$ 2,7 bilhões no segundo trimestre de 2020. Segundo a empresa, o resultado reflete os impactos da pandemia sobre as vendas de combustíveis e o "colapso" dos preços do petróleo no período. No primeiro trimestre, a estatal já havia reportado perda recorde de R$ 48 bilhões, provocada pela revisão do valor de seu portfólio diante de projeções de petróleo mais barato nos próximos anos. A empresa reduziu o valor de seus ativos em R$ 65,3 bilhões. O prejuízo recorde, porém, foi contábil. Já no segundo trimestre, com as medidas de isolamento social no Brasil, as perdas foram provocadas por queda de 8% nas vendas e de 31% no preço dos derivados vendidos pela estatal, em comparação com o trimestre anterior. O cenário levou a uma redução de 33% na receita líquida, que fechou o trimestre em R$ 50,9 bilhões. Os efeitos da crise interna foram parcialmente compensados pelo aumento nas exportações, principalmente de combustível marítimo, que atingiram recordes históricos no período. "Este movimento foi fundamental para compensar a forte contração na demanda por combustíveis no Brasil, especialmente em abril - um mês a ser lembrado na história da indústria de petróleo - e para preservar liquidez", disse, no balanço divulgado nesta quinta (30), o presidente da companhia, Roberto Castello Branco. Já em maio, a companhia via melhora no mercado brasileiro de combustíveis, com os primeiros estados relaxando medidas de isolamento social tomadas no início da pandemia. Até aquele mês, o consumo de diesel registrava queda de 30%, enquanto o de gasolina caía entre 40% e 45%. A situação evoluiu nas semanas seguintes e, segundo o MME (Ministério de Minas e Energia), considerando o período até 22 de julho, a queda nas vendas de diesel era de apenas 1,2% e nas de gasolina, de 11%. Na semana passada, a utilização das refinarias voltou a patamares anteriores à crise, chegando a 77,3% da capacidade no domingo (26). "A economia global está mostrando sinais de recuperação impulsionada pela injeção de US$ 15 trilhões - cerca de 12% do PIB global - derivada de ações de políticas fiscais e monetárias. Embora em nível mais moderado, a incerteza permanece", escreveu Castello Branco. Apesar da crise, a companhia aprovou em assembleia na semana passada a distribuição de bônus milionários a seus executivos, como prêmio pelo desempenho de 2019, quando a estatal registrou lucro recorde de R$ 40 bilhões. A proposta apresentada pela companhia elevou de R$ 5,5 milhões para R$ 11,8 milhões a projeção de prêmios para o desempenho em 2019, quando entrou em vigor novo modelo de premiação que privilegia os cargos de chefia e pode dar até 13 salários ao presidente da empresa. Foi aprovada com apoio do governo, o acionista majoritário, embora o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) tenha votado contra. A distribuição do dinheiro, porém, está suspensa devido à pandemia.