Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.561,58
    +1.861,75 (+4,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Pandemia fortaleceu a confiança na mídia, indica estudo

·3 minuto de leitura
A 10ª edição do relatório sobre notícias digitais descobriu que a confiança na mídia aumentou seis pontos, para 44%, desde o início da crise de saúde

A pandemia de covid-19 impulsionou a confiança do público na mídia em geral e acelerou a digitalização da imprensa ao redor do mundo, de acordo com um relatório do instituto Reuters publicado nesta terça-feira (22).

Os brasileiros, porém, estão entre os que mais se preocupam com a desinformação.

Segundo o 10º relatório sobre informação digital, a confiança na informação aumentou em média 6 pontos desde o início da pandemia, chegando a 44%.

Este resultado é baseado em uma série de pesquisas conduzidas pela empresa YouGov em 46 países (com mais de 92 mil entrevistados no total), que representam mais da metade da população mundial.

A Finlândia, com 65%, continua registrando o maior índice de confiança, enquanto nos Estados Unidos, apenas 29% de seus habitantes afirmam confiar na mídia. No Brasil, esse índice é de 54%.

De acordo com Nic Newman, principal autor do relatório, dois fatores ligados à crise podem explicar esse crescimento da confiança: uma maior importância da “informação factual” e da mídia local, deixando de lado a “informação política mais partidária”.

“Esse efeito pode ser apenas temporário, mas em quase todos os países descobrimos que o público prioriza fontes confiáveis”, acrescenta Newman no estudo.

- Aumento das assinaturas digitais -

Esse movimento beneficiou especialmente a mídia de serviço público "forte e independente" em países como a França, observa o Instituto Reuters para Estudos do Jornalismo, que faz parte da Universidade de Oxford.

O estudo também confirma as graves dificuldades da imprensa escrita, provocadas ou agravadas pela crise de saúde, devido às restrições aos deslocamentos que reduziram a venda de jornais e as receitas publicitárias.

Isso acelerou a transição para assinaturas digitais, em especial em países onde as vendas de jornais em papel são tradicionalmente mais altas, como Alemanha, Áustria e Suíça.

Nos vinte países onde os jornais estão ativamente tentando aumentar suas vendas digitais, 17% dos entrevistados afirmaram que pagaram por informações on-line dois pontos a mais do que em 2020 e cinco a mais do que em 2016.

O aumento mais significativo de assinaturas pela internet foi registrado em países ricos, onde as de veículos em papel são historicamente mais altas, como a Noruega (45% dos entrevistados pagam por informações digitais) e a Suécia (30%).

Nos Estados Unidos, a taxa é de 21%, superior aos 11% na França, 9% na Alemanha e 8% no Reino Unido.

“As assinaturas [digitais] estão começando a funcionar para algumas editoras, mas não funcionarão para todas e sobretudo para todos os consumidores”, já que muitos não estão dispostos a pagar, alerta Rasmus Kleis Nielsen, coautor do relatório.

- Desinformação -

Ao mesmo tempo, a confiança nas notícias compartilhadas nas redes sociais continua muito baixa (24%).

E a preocupação do público com a desinformação teve um ligeiro aumento, mas ela varia muito de país para país: chega a 82% no Brasil, enquanto na Alemanha é de 37%.

Entre outros resultados, a esmagadora maioria dos entrevistados (74%) acredita que a imprensa deve ser imparcial e 72% acha inclusive que ela deve dar tempo igual aos diferentes lados em questões políticas e sociais.

O relatório também revela que em vários países, como os Estados Unidos, alguns setores do público (jovens, minorias étnicas, certas correntes políticas) se consideram mal representados na mídia.

O estudo também mostra um descontentamento dos jovens com os sites tradicionais de informação, em favor das redes sociais, agregadores de notícias e notificações.

O instituto Reuters destaca que o Facebook perdeu espaço como fonte de informações no ano passado, ao contrário do WhatsApp e o Instagram (que pertencem ao mesmo grupo), o TikTok e o Telegram.

Aplicativos de mensagens como o WhatsApp, no entanto, são fonte de preocupação a respeito de informações falsas sobre o coronavírus em boa parte do sul global, incluindo o Brasil, Indonésia, Índia, Nigéria e África do Sul.

O intercâmbio de notícias no TikTok, um plataforma dedicada ao entretenimento em suas origens, se desenvolveu com a crise do coronavírus e o movimento Black Lives Matter.

O relatório ressalta que o aplicativo de vídeos curtos também é utilizado por jovens como meio de mobilização em Peru, Indonésia e Tailândia.

fpo/cgu/fmp/oaa/tjc/jz/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos