Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.385,89
    -1.300,49 (-2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Pandemia faz profissional da música virar escritor de prosa e poesia

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — Empresário e produtor artístico, com mais de 20 anos de atuação no mercado, Marcelo Reis já trabalhou com nomes como os grupos Blitz e A Cor do Som, além de artistas como George Israel e Jay Vaquer. Com a pandemia e a paralisação de muitas das atividades de entretenimento, Reis se isolou em sua casa na Gávea e começou a trilhar novos caminhos. Ele conta que mergulhou profundamente em um processo de reinvenção e de busca por novas atividades, o que acabou culminando com seu reencontro com a poesia e a prosa.

Das horas a mais ganhas a partir da suspensão de turnês nacionais e internacionais nasceram “V” e “Contos de janeiro”, ambos recém-lançados na rede social mundial de leitores e escritores Wattpad.

Reis explica que a primeira obra é uma compilação de cinco poesias que trazem como mensagem a representação da liberdade e do espírito, além da busca por mudanças e novos caminhos traduzida em uma revolução de sentimentos que revelam leveza e pesar, vida e morte, amor e dor.

—Duas delas foram adaptadas pelos compositores George Israel e Guilherme Schwab e viraram canções que ainda serão lançadas — diz Reis.

Já o livro “Contos de janeiro” é uma série composta por seis contos, todos passados no mês de janeiro. Nas histórias, há personagens do passado, do presente e do futuro. A cada mês, o autor publicará um conto novo; e o primeiro, “O homem que nasceu azul”, em menos de uma semana já atingiu o primeiro lugar no ranking Surrealismo da plataforma e caminha para os primeiros lugares também no ranking Reflexão.

—Vejo “O homem que nasceu azul” como um retrato bem fiel do preconceito e do extremismo que permeiam a sociedade contemporânea. Apesar dos elementos de suspense e de acontecimentos à la Tarantino, a ficção se aproxima da realidade atual, e a narrativa é uma grande crítica à classe média, à nossa organização social e ao nosso medo do novo — diz o autor.

O livro está disponível por meio do link www.wattpad.com/story/257111001-contos-de-janeiro.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)